Política Estadual

Dia das Mulheres da AL Social será com vídeos-homenagens exibidos pela TVAL

Publicados

em


Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

As mulheres são muitas, são diversas, são também fruto da construção de muitas outras mulheres. Para marcar o Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, a Assembleia Social da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) está homenageando todas por meio das histórias de seis representantes de comunidades tradicionais da Grande Cuiabá, com vídeos exibidos pela TV Assembleia e disponibilizados nas redes sociais.

O Projeto Mulheres de (re)Existência, de iniciativa da diretora da Assembleia Social, Daniella Paula Oliveira, e da fotógrafa da unidade, Karen Malagoli, busca, por meio da poesia (no sentido amplo da palavra), registrar o olhar das personagens e contar um pouco da história delas, com crônicas e fotos.

Para este Dia das Mulheres, as produções foram transformadas pelo cineasta Luiz Marchetti, também da equipe AL Social, em seis vídeos, com narração da cantora Estela Ceregatti e da poeta Luciene Carvalho.

Entre as seis personagens do projeto, há quilombola, indígena, mulher do campo, pantaneira. Há também a mulher mais velha moradora de Cuiabá, Maria Elisa Conceição, 111 anos de histórias e ensinamentos.

A proposta, segundo Daniella Paula, é narrar histórias de mulheres-bases das demais na sociedade. “São mulheres que têm esse registro de sustentação”, sintetiza.

Um trecho do projeto reflete: “Quantas mulheres existem resistindo? E são essas que sustentam todo um colossal social, psíquico e humano de toda uma sociedade”. E destaca o objetivo de “ecoar as raízes fecundas dessas mulheres, dando imagem e narrativas a partir da poiesis de seis protagonistas do ato de existir”.

Leia Também:  Falsos dilemas levaram Mato Grosso a ter a 3ª maior mortalidade por covid-19 do país, diz Lúdio

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

A ideia é ampliar o projeto para 12 entrevistadas e fotografadas e promover uma exposição das fotografias com trechos das crônicas. Está previsto também um livro com o conteúdo, físico e virtual.

Neste momento de agravamento da pandemia, foi necessário pensar formas de homenagear a data, respeitando o necessário distanciamento. “A gente propôs que fossem exibidos como vídeos na TVAL, para que a gente conseguisse alcançar um público maior”, explica Dani Paula.

Sobre o processo criativo, Daniella citou Silviane Ramos Lopes da Silva, quilombola da Comunidade Porto Calvário, de Vila Bela da Santíssima Trindade, doutoranda em Sociologia e várias outras facetas elencadas na crônica. “Sil é uma mulher muito forte. Ela não estava escalada, mas a gente sentou com ela enquanto a mãe dela [Maria das Dores, outra personagem] se arrumava e foi impossível não contar a história dela, que já venceu três cânceres e ainda se propõe a ‘suavizar caminhos’”.

Os vídeos de Luiz Marchetti já estão sendo exibidos em horários diversos na TVAL e serão inseridos aos poucos, pelo mês de março, nas redes sociais da Assembleia Social no Facebook e no Instagram (@assembleiasocial).

Leia Também:  CPI consegue que Energisa suspenda aumento na tarifa em Mato Grosso

Além de dona Maria Elisa, de Silviane e de Maria das Dores Ramos Lopes da Silva – quituteira da festa de Vila Bela da Santíssima Trindade, compõem esta primeira fase do projeto a indígena da etnia Kurâ Bakairi e advogada Eliane Xunakalo (ora em Várzea Grande, ora na aldeia); Laura Ferreira da Silva, quilombola, artesã e militante da causa negra; e Francileia Paula de Castro, a Fran, também quilombola, pantaneira, agricultora, agrônoma, mestra em agroecologia e militante social.

Foto: KAREN MALAGOLI / ALMT

Para não estragar a surpresa, segue apenas o comecinho de uma das crônicas de Daniella Paula:

Quando a delicadeza faz morada em um sorriso, a gente quer logo habitar. Em Maria das Dores, temos vontade de morar. Fazer ninho. Ficar quietinha em noites de trovão e fazer gargalhada em dias ensolarados.

Mulher pequena, franzina até pouco (“agora que tô ganhando corpo” – exclama), que faz caber todo mundo dentro, desde o primeiro olhar. Tão miúda que o apelido desde sempre é “Cotinha”. Acredito que não seja só pela estatura, mas pela graça singela de ser, pela agilidade de passarinho, por mover os pés como quem faz samba delicado.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:

Política Estadual

“Fatura dos cilindros chegou” aponta Faissal ao denunciar tributação indevida pela Energisa

Publicados

em

Por


O deputado estadual Faissal Calil (PV) irá cobrar explicações da Energisa por possíveis cobranças irregulares nas contas de energia elétrica feitas pela concessionária de consumidores que possuem sistemas de captação e produção de energia solar. O parlamentar recebeu denúncias de que a empresa estaria aplicando indevidamente a cobrança de ICMS na compensação do que era inserido no sistema pelos clientes.

Em conversa por telefone, o deputado ouviu do secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, que a cobrança não parte do Governo do Estado, que em 2019 fez um compromisso de não tributar esta modalidade de produção de energia elétrica. Faissal relembrou da doação feita pela Energisa, recentemente, de cilindros de oxigênio que, de acordo com o parlamentar, é oriunda de arrecadações irregulares de tributos pela empresa.

“Rogério Gallo me garantiu que o compromisso feito com o Governo do Estado de isenção do ICMS em relação a energia solar feito em 2019 está de pé. Isso é coisa da Energisa. Essa diferença entre o que a sua usina fotovoltaica injeta na rede e o que é compensado pela empresa, com valores a menor, é algo que a concessionária terá que explicar. Pelo visto a fatura da tal doação de cilindros de oxigênio feitos pela concessionária já chegou”, apontou.

Leia Também:  Diretores da Aneel não compareceram à oitiva da CPI da Energisa

Faissal destacou ainda que levará o assunto ao conhecimento dos parlamentares que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a Energisa na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). De acordo com denúncias feitas pelos consumidores, a empresa tributa o ICMS de forma indevida na hora de aplicar os créditos de seus consumidores na compensação de outras unidades consumidoras.

“Os consumidores que instalaram usinas fotovoltaicas perceberam que tudo aquilo que era produzido por eles e colocado na rede de distribuição, infelizmente, não era compensado devidamente em suas contas de energia. Isso ocorreu sem qualquer aviso ou comunicado ao consumidor. Levarei este assunto a CPI da Energisa para que se tomem providências e o mercado da energia solar não fique inviabilizado em nosso estado”, afirmou.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Sistema de Compensação é quando a energia ativa injetada por uma unidade consumidora com microgeração distribuída ou minigeração distribuída é cedida, por meio de empréstimo gratuito, à distribuidora local e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica ativa dessa mesma unidade consumidora ou de outra unidade consumidora de mesma titularidade da unidade consumidora onde os créditos foram gerados, desde que possua o mesmo Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cadastro de Pessoa Jurídica (CNPJ) junto ao Ministério da Fazenda.

Leia Também:  CPI consegue que Energisa suspenda aumento na tarifa em Mato Grosso

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA