topo.jpg
Terça-feira - 23 de Janeiro de 2018
OPINIAO - 22/05/2015 - 11:59
 
2º mito: Ideia de Estado laico se alimenta do mito do cristianismo primitivo
 
   
   
 
2º mito: Ideia de Estado laico se alimenta do mito do cristianismo primitivo Versão de que em algum momento Estado e religião andavam separados sustenta discurso tanto de religiosos, quanto de anarquistas e sociólogos Valérya Próspero Houve um tempo em que o cristianismo era pregado corretamente, seguindo perfeitamente os ensinamentos de Jesus Cristo e sem interferências externas que corrompessem os dogmas. Tudo veio por terra quando os líderes da Igreja cristã se juntaram ao Império, começando pelo governo de Constantino. Este foi responsável por tirar o cristianismo da clandestinidade e o tornou uma das religiões do Império Romano, primeiro passo para a “impureza”. Essa é basicamente a reflexão que costuma ser aceita pela sociedade em relação à evolução da religião cristã. Mas vista como um mito pelo pesquisador da UFMT, Leandro Duarte Rust. A versão é defendida tanto por religiões que dizem querer voltar ao cristianismo puro, ao se desligarem de uma igreja já constituída, principalmente protestantes, quanto por ateus ou defensores de um racha entre Estado e religião. Para eles, durante os três primeiros séculos, o cristianismo foi puro e atento às suas origens, com fidelidade à mensagem bíblica e apolítico. Depois, contudo, começou a se aliar a imperadores, perder a pureza primitiva e se corromper, além de negociar as verdades em troca de posições políticas, vantagens e interesses de poder. “Essa interpretação, para mim, é outro mito em torno do Vaticano. O cristianismo já é político antes de ser uma religião libertada”, avalia. Na medida em que o cristianismo vai se difundindo na sociedade, nos primeiros 150 anos, não é mais uma religião de pobres excluídos, já que se difunde na elite e tem contato com famílias senatoriais. “Não dá para dizer que foi a aparição de Constantino ou a aliança com o imperador que influenciou na pureza primitiva do cristianismo”, assegura. Conforme Rust, a ideia de cristianismo primitivo é um mito sobre duas coisas. Primeiro, a idealização e utopia em torno da religião. Segundo, a utopia em torno do espaço público [Estado]. Se a Igreja praticamente não teve um período de pureza, o império também sempre teve influência religiosa “dos deuses” por praticamente todos os reinados. Dessa forma, Constantino, ao colocar o cristianismo entre as religiões permitidas, somente legitimou mais uma “intervenção” divina para dominar não só o interesse público e material. “E usa isso como justificativa para uma dominação ainda mais implacável, porque o imperador convence os homens de que não está mais administrando apenas a vida material, ele está salvando os espíritos também. O imperador passa a ser o salvador de alma”. Mesmo sendo um mito, assim como os demais, o cristianismo puro continua sendo difundido até os dias de hoje. A pesquisa de Rust mostra que a defesa dessa tese é uma necessidade tanto de agentes da religião, que muitas vezes tentam sentenciar um processo de corrupção da religião, quanto de grupos que condenam a intromissão de religiosos na vida pública. Assim, segundo o docente, esse mito é sustentado tanto por protestantes ou cristãos de uma forma geral, quanto por anarquistas e socialistas no começo do século XX. “Porque os anarquistas vão dizer ‘Oh, o maior erro do ocidente foi deixar o cristianismo virar a religião do Estado. Tem que separar’. É como se eles dissessem: ‘certo era enquanto existia um cristianismo primitivo, quando a religião era uma coisa e o Estado era outra’”, esclarece. Rust lembra que a ideia de um Estado laico se alimenta muito do mito do cristianismo primitivo. E completa dizendo que antes mesmo do movimento cristão aparecer como religião oficial no Império Romano, o espaço público era uma questão religiosa, mesmo que pagã. Portanto, para ele, se esse mito continua a ser difundido, perpetuado na sociedade, é porque ele apresenta uma versão interessada ou adequada da realidade para algum grupo, que é esse caso, por exemplo. “O que leva um anarquista ou um socialista a defender a ideia de cristianismo primitivo? Porque esse mito atende a um modelo político que ele quer defender. A história do mito pode ser classificada como falsa, mas a importância dela para as pessoas, não. Esse é o argumento fundamental”. O professor ressalta que em nenhum momento da pesquisa descobriu uma fonte histórica inédita, um documento revelador. Trabalhou com acervos que são conhecidos por historiadores, teólogos, provavelmente há 100 anos, e qualquer pessoa pode iniciar essa pesquisa e identificar o mito prontamente. “Mesmo assim, o mito continua ao ponto de aparecer em obras como o Código Da Vinci. Ele é uma versão da realidade e atende a demanda de um contexto específico, atende a interesses específicos, sobretudo o mito político”. E o professor avalia ainda que o rompimento entre Estado e religião, historicamente, é um desafio. Na próxima segunda, dia 18, a revista Fapemat Ciência irá publicar a quinta reportagem da série. Ela irá trazer o terceiro mito, referente à Reforma Gregoriana como símbolo do rompimento com o feudalismo. Conteúdos relacionados 1ª reportagem: Criação de antipapas é forma de punição, mas todos poderiam ter sido papas 2ª reportagem: Episódios do alto clero da igreja católica são apenas mitos, diz pesquisa da UFMT 3ª reportagem: 1º mito: Pedro foi o primeiro papa? http://www.revistafapematciencia.org/noticias/noticia.asp?id=736 http://www.revistafapematciencia.org/
   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
01/09/2017  - Você tem o direito de errar
28/08/2017  - MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
23/08/2017  - Niuan Ribeiro, homenageia maçons por contribuição social
23/08/2017  - MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS
23/08/2017  - Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Untitled Document
 
ECONOMIA
Alimentação e Bebidas
23/01/2018
Prévia da inflação oficial registra 0,39% em janeiro, diz IBGE
 
 
DESTAQUES
Resultado Satisfatório
22/01/2018
Prefeitura faz balanço do processo seletivo simplificado de contratação da Educação
 
 
SAÚDE
Período de Férias
19/01/2018
Com estoque baixo, Hemocentro precisa de doadores de sangue
 
 
DESTAQUES
Sem Folia
18/01/2018
Mato Grosso fica sem dinheiro para realizar Carnaval 2018
 
 
POLÍTICA
Processos Diciplinares
17/01/2018
Estado investiga conduta de mais de 800 servidores, que podem ser até demitidos
 
 
DESTAQUES
Crise
16/01/2018
Taques diz não ser "Superhomem" e cita que 12 Estados atrasam salários no país
 
 
DESTAQUES
Segundo novo Estudo
15/01/2018
Custo das energias renováveis pode ficar abaixo dos combustíveis fósseis até 2020
 
 
DESTAQUES
Em Cuiabá
12/01/2018
Seduc registra mais de 7 mil solicitações de matrículas de novos alunos
 
 
CIDADES
Procedimento Administrativo
11/01/2018
Cuiabá investiga 11 médicos e enfermeiros por abandono de cargos
 
 
POLÍTICA
Peixoto de Azevedo
10/01/2018
MPE requer condenação de servidores públicos por improbidade administrativa
 
 
POLÍTICA
Investigação em Risco
09/01/2018
Advogado aponta erro de juiz e STF para pedir anulação de 15 fases da Ararath em MT
 
 
DESTAQUES
Nomeados sem Concurso
08/01/2018
Demitidos pela Justiça, servidores da AL tentam recurso para manter cargos e salários em MT
 
rodape.jpg
Resultado  
Você tem o direito de errar
 
Primavera do Leste  
MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
 
Semana Nacional  
Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Iprobidade  
MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS
 
Cuiabá  
Niuan Ribeiro, homenageia maçons por contribuição social
 
Casa Própria  
Governo entrega casas a 100 famílias em Jangada
 
Artigo  
Modelo Ideal?*
 
Legalize Já!  
Ministro do STF diz que Brasil deve 'legalizar a maconha e ver como isso funciona na vida real'
 
Cultivo Protegido  
Futuros Produtores visitam em Campinas a Divisão de Hortaliças da Monsanto
 
Anvisa Avisa  
Droga da USP não tem ação comprovada contra câncer