topo.jpg
Quarta-feira - 18 de Setembro de 2019
 
AGRONEGÓCIO - 09/05/2019 - 10:22
 
Controle químico não deve ser única tática adotada para o combate ao bicudo-do-algodoeiro
 
   
   
 

 

 

Desde o final da safra 2014/2015 o IMAmt e os produtores de algodão de Mato Grosso realizam um projeto de controle efetivo do bicudo-do-algodoeiro.

 

O bicudo-do-algodoeiro é a principal praga da cultura do algodão e requer a atenção dos produtores rurais. Causador de queda acentuada de botões florais e abertura irregular dos capulhos, o inseto eleva a necessidade de aplicações de inseticidas e, consequentemente, os custos de produção, como na safra brasileira 2015/2016 quando as perdas somadas aos custos de controle registraram um valor médio de US$ 360 por hectare. Segundo especialistas, o controle químico não deve ser a única tática adotada para o controle do bicudo-do-algodoeiro.

O assunto é abordado na Circular Técnica 40 do IMAmt, publicada no mês de março de 2019, assinada pelos pesquisadores Dr. Jacob Crosariol Netto e Dr. Guilherme Gomes Rolim, além do coordenador de projetos e difusão do Instituto, Marcio Souza.

O elevado potencial do bicudo-do-algodoeiro como praga é decorrente do ataque às estruturas reprodutivas do algodoeiro, ocasionando queda acentuada de botões florais e abertura irregular dos capulhos. Conforme os especialistas do IMAmt, o controle químico não deve ser a única tática a ser adotada pelos produtores para combater a praga.

“Para maior sucesso no controle dessa praga, é necessária a adoção/realização de um conjunto de táticas que envolvem escolha correta de moléculas inseticidas, regulagem de equipamentos de aplicação, destruição efetiva de restos culturais (soqueiras/tigueras), monitoramento de populações durante o período da entressafra, entre outras. No entanto, a utilização dessas táticas de forma isolada em grandes áreas de cultivo surte poucos efeitos contra a população da praga”, afirmam os pesquisadores.

No final da safra 2014/2015 o Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), em parceria com produtores rurais, iniciaram um projeto de controle efetivo do bicudo-do-algodoeiro. A partir de então, grupos regionais denominados GTA (Grupo Técnico do Algodão) começaram a ser formados. “Cada grupo foi montado regionalmente, com intuito de entender as características de cada região, e, a partir disso, planejar e executar de forma conjunta ações regionais visando à redução populacional do bicudo-do-algodoeiro”, explicam os pesquisadores.

Inicialmente foram criados nove grupos localizados nas principais regiões produtoras de algodão em Mato Grosso. Cada grupo é composto por produtores, diretores e gerentes de fazendas, agrônomos, técnicos agrícolas, consultores e pesquisadores. “Além de tratarem das estratégias para o controle do bicudo-do-algodoeiro, os grupos também discutem sobre cultivares, doenças, plantas daninhas e outros tratos culturais importantes para a boa condução da lavoura, que são compartilhados entre os integrantes”.

Ainda de acordo com a Circular Técnica do IMAmt, o atual cenário possui componentes que contribuem para que a presença do bicudo-do-algodoeiro seja frequente, como a retirada de moléculas de alta eficiência de controle (como Endosulfan e Parationa Metílica) e redução da eficiência dos piretroides, por exemplo, bem como o crescente índice de adoção e desenvolvimento de novas cultivares resistentes a uma série de herbicidas, o que acarreta maior dificuldade no controle das soqueiras e tigueras de algodão. “Desta forma com o iminente crescimento das áreas de cultivo de algodão no Brasil, principalmente no cerrado, é de extrema importância a manutenção e a criação de novos grupos com o mesmo propósito”, concluem os pesquisadores do IMAmt.

Confira aqui a Circular Técnica do IMAmt nº 40/2019.

   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
13/09/2019  - Excesso de antibióticos pode causar sepse e levar até a morte alerta infectologista
11/09/2019  - Cuiabá conta com novo serviço de Hemodinâmica
06/09/2019  - Uma história de Maria
05/09/2019  - Touro Brangus impressiona pecuaristas brasileiros e argentinos
05/09/2019  - Fundação André e Lucia Maggi vai oferecer bolsas para curso de Agrocomputação da Fatec Senai MT
 
Untitled Document
 
MEIO AMBIENTE
Aate e o Transporte
18/09/2019
Deputado vai a Mato Grosso do Sul conhecer realidade do Cota Zero
 
 
MUNDO JURÍDICO
Em Defesa da Ordem
17/09/2019
TJMT assegura inviolabilidade do advogado parecerista
 
 
DESTAQUES
Em Rondonópolis
16/09/2019
Defensoria Pública integra comitê interinstitucional de combate às drogas
 
 
ECONOMIA
Mercado do Combustível
13/09/2019
Royal FIC anuncia ampliação na atuação em Mato Grosso neste segundo semestre
 
 
DESTAQUES
Em 30 Dias
12/09/2019
Sema aplicou R$ 146 milhões em multas por crimes ambientais
 
 
MUNDO JURÍDICO
Lei 10.953
12/09/2019
ABRACRIM diz que é Inconstitucional Lei que cobra pecúnia para o uso de tornozeleiras eletrônicas
 
 
DESTAQUES
Nesta Sexta-Feira
11/09/2019
Visitas na Penitenciária Central do Estado será retomadas
 
 
EDUCAÇÃO
Culinaria Escolar Cuiabana
11/09/2019
Concurso vai escolher as três melhores receitas do cardápio da alimentação escolar de Cuiabá
 
 
DESTAQUES
Nesta Quarta-Feira
10/09/2019
Comissão de Saúde discute ações para prevenção e tratamento do uso abusivo de drogas
 
 
ECONOMIA
Mercado Chinês
09/09/2019
7 indústrias são habilitadas a exportar para carne para a China
 
 
MUNDO JURÍDICO
Defesa das Prerrogativas
09/09/2019
OAB emite Nota sobre veto à criminalização da violação das prerrogativas da advocacia
 
 
POLICIA
Chapada dos Guimarães
09/09/2019
Jovem teria subtraído arma do avô da vítima parair matar namorada, pais e atirar na sogra
 
rodape.jpg
Infecção  
Excesso de antibióticos pode causar sepse e levar até a morte alerta infectologista
 
Qualidade e Precisão  
Cuiabá conta com novo serviço de Hemodinâmica
 
Levantamento  
Uma história de Maria
 
Formação  
Fundação André e Lucia Maggi vai oferecer bolsas para curso de Agrocomputação da Fatec Senai MT
 
Genética  
Touro Brangus impressiona pecuaristas brasileiros e argentinos
 
Pesquisa  
Pesquisadores da UNEMAT desenvolvem protocolos de preservação de sementes de árvores do Pantanal
 
Controle de Pragas  
Destruição de soqueira é essencial para o controle do bicudo após colheita, afirma IMAmt
 
Reflexão  
Produtor rural, o maior interessado na defesa do meio ambiente
 
Mercado  
Agenda ambiental é prioridade para produtores de carne
 
Contesto Histórico  
O Rio Cuiabá e a consciência cidadã