topo.jpg
Segunda-feira - 22 de Abril de 2019
 
POLÍTICA - 10/02/2019 - 10:54
 
Deputado federal mais votado do PSL de MT é criticado por empregar "mãe e filho" em gabinete
 
   
   
 

Da Redação

 

 

 

O deputado federal de primeiro mandato, Nelson Ned Previdente popularmente conhecido comoNelson Barbudo do PSL de Mato o Grosso, vem recebendo duras criticas nas redes sociais por conta de duas nomeações em seu gabinete na câmara federal.

Isso por que o deputado que assumiu em 01 de fevereiro deste ano de 2019 primeiro mandato como deputado federal estaria empregado duas pessoas da mesma família no seu gabinete em Brasília (DF) a Mãe e o filho.

E isso vem recebendo duras criticas por parte do eleitorado mato-grossense, que acham uma falta de bom senso do parlamentar federal.

Consta que Rosangela Fochi Selam foi nomeada com o salário de 5, 7 mil reais e seu filho Raul Fochi Selam com o salário de 7,2 mil reais por mês.

O deputado ainda definiu nomear mais outros 07 assessores.

Além da mãe e do filho integram a equipe de Barbudo os assessores Reginaldo Andrade, Sandra Martins, Rafael Klas Dal Bo, Adalberto Ferreira Romar, Flavio de Jesus de Oliveira, Joelma Santos Evangelista e Maria da Conceição Dourado.

Veja imagem  abaixo:

Nelson Barbudo é ex-vereador pela cidade deAlto Taquari a 486 km de Cuiabá.

Barbudo como é conhecido fez uma campanha dura em combate à corrupção e clientelismo nas redes sociais, é pecuarista e tem um canal no Youtub com mais de 130 mil seguidores, Foi fenômeno de votos para ocupar uma cadeia na câmara federal nas eleições de 2018, eleito com mais de 126 mil votos.

Nas redes sociais, internautas criticam a postura do parlamentar, alguns comentários sugerem que o parlamentar dá um péssimo exemplo empregando a mãe e o filho no mesmo gabinete.

Outros sugerem que se ambos forem competentes não tem nada contra empregar dois da mesma família.

Na mesma ótica é observado o grau de parentesco com o deputado , alguns não vê ilegalidade no ato.

Nepotismo é um termo utilizado para designar o favorecimento de parentes ou amigos próximos em detrimento de pessoas mais qualificadas, geralmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos públicos e políticos.

Podemos conceber o conceito de nepotismo como a prática pela qual um agente público usa de sua posição de poder para nomear, contratar ou favorecer um ou mais parentes, sejam por vínculo da consangüinidade ou da afinidade, em violação às garantias constitucionais de impessoalidade administrativa.

O enunciado da Súmula Vinculante nº 13 é este:

A nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau, inclusive, da autoridade nomeante ou de servidor da mesma pessoa jurídica, investido em cargo de direção, chefia ou assessoramento, para o exercício de cargo em comissão ou de confiança, ou, ainda, de função gratificada na Administração Pública direta e indireta, em qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos municípios, compreendido o ajuste mediante designações recíprocas, viola a Constituição Federal.

Seguem na íntegra o Decreto Federal 7.203 e a Lei Complementar 097/2007.


Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 7.203, DE 4 DE JUNHO DE 2010.

Dispõe sobre a vedação do nepotismo no âmbito da administração pública federal.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea “a”, da Constituição,

DECRETA:

Art. 1o  A vedação do nepotismo no âmbito dos órgãos e entidades da administração pública federal direta e indireta observará o disposto neste Decreto.

Art. 2o  Para os fins deste Decreto considera-se:

I – órgão:

a) a Presidência da República, compreendendo a Vice-Presidência, a Casa Civil, o Gabinete Pessoal e a Assessoria Especial;

b) os órgãos da Presidência da República comandados por Ministro de Estado ou autoridade equiparada; e

c) os Ministérios;

II – entidade: autarquia, fundação, empresa pública e sociedade de economia mista; e

III – familiar: o cônjuge, o companheiro ou o parente em linha reta ou colateral, por consanguinidade ou afinidade, até o terceiro grau.

Parágrafo único.  Para fins das vedações previstas neste Decreto, serão consideradas como incluídas no âmbito de cada órgão as autarquias e fundações a ele vinculadas.

Art. 3o  No âmbito de cada órgão e de cada entidade, são vedadas as nomeações, contratações ou designações de familiar de Ministro de Estado, familiar da máxima autoridade administrativa correspondente ou, ainda, familiar de ocupante de cargo em comissão ou função de confiança de direção, chefia ou assessoramento, para:

I – cargo em comissão ou função de confiança;

II – atendimento a necessidade temporária de excepcional interesse público, salvo quando a contratação tiver sido precedida de regular processo seletivo; e

III – estágio, salvo se a contratação for precedida de processo seletivo que assegure o princípio da isonomia entre os concorrentes.

§ 1o  Aplicam-se as vedações deste Decreto também quando existirem circunstâncias caracterizadoras de ajuste para burlar as restrições ao nepotismo, especialmente mediante nomeações ou designações recíprocas, envolvendo órgão ou entidade da administração pública federal.

§ 2o  As vedações deste artigo estendem-se aos familiares do Presidente e do Vice-Presidente da República e, nesta hipótese, abrangem todo o Poder Executivo Federal.

§ 3o  É vedada também a contratação direta, sem licitação, por órgão ou entidade da administração pública federal de pessoa jurídica na qual haja administrador ou sócio com poder de direção, familiar de detentor de cargo em comissão ou função de confiança que atue na área responsável pela demanda ou contratação ou de autoridade a ele hierarquicamente superior no âmbito de cada órgão e de cada entidade.

Art. 4º  Não se incluem nas vedações deste Decreto as nomeações, designações ou contratações:

I – de servidores federais ocupantes de cargo de provimento efetivo, bem como de empregados federais permanentes, inclusive aposentados, observada a compatibilidade do grau de escolaridade do cargo ou emprego de origem, ou a compatibilidade da atividade que lhe seja afeta e a complexidade inerente ao cargo em comissão ou função comissionada a ocupar, além da qualificação profissional do servidor ou empregado;

II – de pessoa, ainda que sem vinculação funcional com a administração pública, para a ocupação de cargo em comissão de nível hierárquico mais alto que o do agente público referido no art. 3º;

III – realizadas anteriormente ao início do vínculo familiar entre o agente público e o nomeado, designado ou contratado, desde que não se caracterize ajuste prévio para burlar a vedação do nepotismo; ou

IV – de pessoa já em exercício no mesmo órgão ou entidade antes do início do vínculo familiar com o agente público, para cargo, função ou emprego de nível hierárquico igual ou mais baixo que o anteriormente ocupado.

Parágrafo único.  Em qualquer caso, é vedada a manutenção de familiar ocupante de cargo em comissão ou função de confiança sob subordinação direta do agente público.

Art. 5º  Cabe aos titulares dos órgãos e entidades da administração pública federal exonerar ou dispensar agente público em situação de nepotismo, de que tenham conhecimento, ou requerer igual providência à autoridade encarregada de nomear, designar ou contratar, sob pena de responsabilidade.

Parágrafo único.  Cabe à Controladoria-Geral da União notificar os casos de nepotismo de que tomar conhecimento às autoridades competentes, sem prejuízo da responsabilidade permanente delas de zelar pelo cumprimento deste Decreto, assim como de apurar situações irregulares, de que tenham conhecimento, nos órgãos e entidades correspondentes.

Art. 6º  Serão objeto de apuração específica os casos em que haja indícios de influência dos agentes públicos referidos no art. 3o:

I – na nomeação, designação ou contratação de familiares em hipóteses não previstas neste Decreto;

II – na contratação de familiares por empresa prestadora de serviço terceirizado ou entidade que desenvolva projeto no âmbito de órgão ou entidade da administração pública federal.

Art. 7o  Os editais de licitação para a contratação de empresa prestadora de serviço terceirizado, assim como os convênios e instrumentos equivalentes para contratação de entidade que desenvolva projeto no âmbito de órgão ou entidade da administração pública federal, deverão estabelecer vedação de que familiar de agente público preste serviços no órgão ou entidade em que este exerça cargo em comissão ou função de confiança.

Art. 8o  Os casos omissos ou que suscitem dúvidas serão disciplinados e dirimidos pela Controladoria-Geral da União.

Art. 9o  Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 4 de junho de 2010; 189o da Independência e 122o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Paulo Bernardo Silva
Jorge Hage Sobrinho

Este texto não substitui o publicado no DOU de 7.6.2010 

   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
02/04/2019  - MPMT reivindica do Estado construção de Centros Socioeducativos
14/01/2019  - Chuvas são registradas na região norte da BR-163, entre Diamantino e Sinop
03/11/2018  - Preservação de patrimônio histórico abre Seminário Olhares Sobre a Cidade
11/10/2018  - Deputados podem votar auxilio às santas casas na próxima terça
25/04/2018  - Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
 
Untitled Document
 
DESTAQUES
Pevenção Começa na Escola
22/04/2019
Projeto realiza apresentações em Querência, Água Boa e Barra do Garças
 
 
DESTAQUES
Administração Pública
18/04/2019
Novas regras para concessão de licença-prêmio atendem recomendação da CGE
 
 
NACIONAL
Alegando Separação das Funções
16/04/2019
Raquel Dodge arquiva inquérito aberto pelo min. Dias Toffoli para investigar noticiais falsas contr
 
 
MEIO AMBIENTE
REDD Early Movers
15/04/2019
MT-Programa internacional financia implementação das Promotorias de Justiça de Bacias Hidrográficas
 
 
TURISMO
Cerrado
15/04/2019
Pantanal é opção para viajar em família na Semana Santa
 
 
CULTURA
Administração Pública
14/04/2019
Conselho Estadual de Cultura abre inscrições para eleição complementar
 
 
DESTAQUES
Técnicas de Investigação
13/04/2019
MPMT promove seminário para aperfeiçoar técnicas de enfrentamento à improbidade administrativa
 
 
POLICIA
Mais de 15 Anos
12/04/2019
Réus julgados em abril por crimes dolosos contra a vida são condenados
 
 
MEIO AMBIENTE
MPe pede Desocupação da Área,
11/04/2019
Moradores de bairros são acionados na justiça por degradar nascente
 
 
DESTAQUES
A Pedido do MPMT
10/04/2019
Justiça decreta indisponibilidade de bens do prefeito de Alta Floresta
 
 
MUNDO JURÍDICO
Juri Popular
10/04/2019
MPMT pede a pronúncia de dois participantes da chacina de Colniza
 
 
CIDADES
Cuiabá 300 Anos
09/04/2019
Prefeito inaugura obras de infraestrutura e leva mais dignidade à moradores da Capital
 
rodape.jpg
Reunião  
MPMT reivindica do Estado construção de Centros Socioeducativos
 
Cudado na Estrada  
Chuvas são registradas na região norte da BR-163, entre Diamantino e Sinop
 
Arquitetura  
Preservação de patrimônio histórico abre Seminário Olhares Sobre a Cidade
 
Congresso Nacional  
Deputados podem votar auxilio às santas casas na próxima terça
 
A volta Por Cima do Limão Caipira  
Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
 
No Alvo  
STF torna Aécio Neves réu por corrupção
 
Mato Grosso  
Circuito de Tecnologia apresenta novidades e opções de carreira na área de TI
 
Em Rondonópolis  
Fiemt discute comércio exterior e acesso ao crédito com industriais
 
Resultado  
Você tem o direito de errar
 
Primavera do Leste  
MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos