topo.jpg
Terça-feira - 19 de Junho de 2018
DESTAQUES - 08/03/2018 - 10:00
 
Tramitam na Assembleia Legislativa propostas que buscam reduzir a violência contra a mulher
 
   
   
 

LAIS DE FIGUEIREDO COSTA MARQUES

 

Com 48,9 mil boletins de ocorrência registrados em 2017, Mato Grosso é considerado um dos estados mais perigosos para as mulheres. Levantamento realizado por um portal de notícias identificou que 4,6 a cada 100 mil mulheres de Mato Grosso sofrem feminicídio, o maior índice nacional, sendo que nos dois primeiros meses deste ano, 18 mulheres foram mortas por motivos relacionados ao gênero, ou seja, morreram por serem mulheres. Infelizmente, no Dia Internacional da Mulher, a violência é o principal assunto em debate. Para não deixar que estes números se tornem apenas estatísticas, tramitam na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) projetos de lei (PL) para instituição de políticas afirmativas para reduzir o índice de violência contra a mulher.

Em 2017, 14 propostas foram apresentadas pelos parlamentares e estão em análise pelas comissões técnicas antes de serem apreciadas em plenário. Os projetos de lei em tramitação possuem naturezas diferentes, apesar da mesma finalidade, e legislam sobras assuntos econômicos, sociais, de educação e de segurança pública para garantir o enfrentamento à violência e suporte às mulheres.

Aliás, o suporte a essas mulheres é fundamental para que elas denunciem os seus agressores e possam viver longe e em segurança. A falta de apoio e a instabilidade emocional e ou econômico dificultam o afastamento. A jovem Ana Letícia de Souza*, hoje com 30 anos, ao tomar consciência das agressões psicológicas e até mesmo físicas que sofria, decidiu se separar. Porém, depois descobriu que estava grávida do seu agressor e, por insegurança, optou por reatar o relacionamento abusivo. “Foi a pior coisa que fiz, pois a violência continuou e eu, por medo e no intuito de proteger meu filho, não via e aceitava aquilo”.

Apesar de não manter mais uma relação afetiva com o agressor, o fato dele ser pai de seu filho o mantém presente em sua vida. Mesmo com a denúncia na polícia, Ana Letícia ainda recebe ameaças de ser separada do filho e aguarda que a Justiça encerre o processo de guarda que enfrenta.

Para evitar a reprodução de relacionamentos como esse, está prevista na Lei 11.340 de 2016, a Lei Maria da Penha, uma série de políticas públicas para viabilizar a independência financeira da mulher, o suporte psicossocial às famílias vítimas de violência e até mesmo a instituição de disciplinas escolares que abordem o tema nas escolas. Mas, de acordo com a coordenadora do Núcleo da Defesa da Mulher da Defensoria Pública de Mato Grosso, defensora Rosana Leite Nunes Barros, nem sempre estas políticas são efetivadas.

Projetos de lei em tramitação - Em Mato Grosso, estão em tramitação alguns projetos que vão ao encontro das propostas previstas na Lei Maria da Penha. Como é o caso do PL 82/2017, de autoria da deputada Janaina Riva (MDB), que propõe a criação e implantação da Política Estadual de Formação e Capacitação Continuada de Mulheres para o Mercado de Trabalho.

Na justificativa do projeto de lei, a deputada Janaina Riva explica que a dependência econômica da mulher, adicionada à falta de acesso qualificado ao mercado de trabalho, contribuem para a manutenção da violência e que o projeto pode ajudar na conquista da independência financeira.

No âmbito social, uma proposta do deputado Mauro Savi (PSB) apresenta a criação da “Patrulha Maria da Penha” para atender vítimas de violência doméstica. O PL 136/2017 propõe o acompanhamento das mulheres vítimas de agressões para identificar os casos mais graves, fiscalizar o cumprimento das Medidas Protetivas de Urgência (MPU), orientar e esclarecer as dúvidas das vítimas, realizar rondas periódicas, atuando preventivamente, confeccionar certidões que integrarão os inquéritos e informar a vítima quando seu agressor é colocado em liberdade. Todas essas ações estão previstas, de acordo com o deputado Mauro Savi, no Plano Nacional de Segurança Pública de 2017.

Até mesmo a tecnologia pode ser uma aliada no combate à violência. Dois projetos apresentados em 2017 na ALMT propõem o desenvolvimento de aplicativos que ajudem a proteger as vítimas de seus agressores. O PL 14/2014, de autoria do deputado Sebastião Rezende (PSC), e o PL 393/2017, do deputado Jajah Neves (PSDB), buscam viabilizar a instalação de aplicativos que sejam diretamente ligados às autoridades para que, quando a mulher esteja em ameaça, possa acionar a polícia.

Mudança de cultura – A implantação das políticas públicas de combate e prevenção à violência contra a mulher é, segundo a defensora pública Rosana Barros, indispensável para a formação de uma sociedade mais igualitária de fato e não apenas de direito. “Somos iguais de forma textual, mas não de forma material. Para isso, precisamos de leis positivas, políticas afirmativas e educação”, afirma a defensora.

Como exemplo, Rosana Barros cita a necessidade de implantar na ementa escolar o conteúdo que trate sobre a violência doméstica. “Não é só a mulher que sofre, a família inteira sofre e a criança que cresce neste meio terá conseqüências para a toda a vida. Para uma mudança cultural, precisamos ensinar as novas gerações”, explica Rosana Barros.

Na Assembleia, tramita o Projeto de Lei 224/2017, de autoria do deputado Sebastião Rezende, que dispõe sobre a criação do “Programa Maria da Penha vai à Escola”, que consiste em ações educativas voltadas à comunidade escolar, contemplando prioritariamente alunos do ensino médio da rede pública estadual, podendo, entretanto, ser realizado em escolas municipais e estabelecimentos particulares de ensino. De acordo como autor do projeto, o programa tem como objetivo sensibilizar a sociedade sobre a violência doméstica e familiar contra a mulher.

A defensora pública Rosana Leite Barros afirma que este conjunto de proposta dá suporte para a construção de uma realidade menos violenta e pode servir como reforço para que as leis já existentes sejam cumpridas. Na Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso, o atendimento das mulheres vítimas de violência inclui o acompanhamento durante todo o processo judicial, a avaliação sobre a necessidade de ampliação das medidas protetivas, orientação para as vítimas e familiares e a educação para sociedade por meio de palestras e outros projetos junto à população.

Conheça alguns projetos de lei (PL) em tramitação na Assembleia Legislativa de Mato Grosso que tratam da violência contra a mulher.

PL 530/2017 – Deputada Janaina Riva (MDB)

PL 393/2017 – Deputado Jajah Neves (PSDB)

PL 360/2017 - Deputado Sebastião Rezende (PSC)

PL 290/2017 - Deputado Guilherme Maluf (PSDB)

PL 265/2017- Deputado Guilherme Maluf (PSDB)

PL 224/2017 – Deputado Sebastião Rezende (PSC)

PL 136/2017 – Deputado Mauro Savi (PR)

PL 81/2017 - Deputada Janaina Riva (MDB)

PL 56/2017 - Deputada Janaina Riva (MDB)

PL 26/2017 - Deputado Jajah Neves (PSDB)

PL 438/2017 - Deputado Jajah Neves (PSDB)

PL 14/2014  -  Deputado Sebastião Rezende(PSC)

PL 82/2017 - Deputada Janaina Riva (MDB)

 

   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
25/04/2018  - Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
19/04/2018  - STF torna Aécio Neves réu por corrupção
16/04/2018  - Fiemt discute comércio exterior e acesso ao crédito com industriais
16/04/2018  - Circuito de Tecnologia apresenta novidades e opções de carreira na área de TI
01/09/2017  - Você tem o direito de errar
 
Untitled Document
 
DESTAQUES
Decisões Erradas
18/06/2018
PNL permite aumentar a autoestima e motivação dos pacientes
 
 
SAÚDE
Cuiabá
15/06/2018
Entrega de USF reforça dignidade e segurança para as comunidades do Jardim Fortaleza e Santa Laura
 
 
CIDADES
Cuiabá
14/06/2018
Prefeito assina edital e Chamamento para implantação de novos pontos de ônibus
 
 
MUNDO JURÍDICO
Na Execução de Honorários
13/06/2018
Câmara aprova projeto que isenta profissionais da advocacia de pagamento de custas processuais
 
 
POLICIA
51% nos Indices
13/06/2018
Polícia Militar registra redução dos índices criminais na Fipe 2018
 
 
DESTAQUES
Mato Grosso
12/06/2018
Governo decreta ponto facultativo e altera expediente nos dias de jogos do Brasil na Copa
 
 
DESTAQUES
Rondonópolis
12/06/2018
Justiça determina indisponibilidade de bens de ex-gestores do IMPRO
 
 
EDUCAÇÃO
IFMT
07/06/2018
Abertas as inscrições de processo seletivo para contratação de professor substituto em Campo Novo do
 
 
DESTAQUES
Cuidado
07/06/2018
Prefeitura alerta sobre o uso de churrasqueiras de Arado e álcool na presença de crianças
 
 
DESTAQUES
Integração
07/06/2018
Cáceres é sede do 3° Encontro dos Municípios da Fronteira
 
 
SAÚDE
Cuiabá
05/06/2018
Prefeitura realiza ‘Dia D’ Diagnóstico e Prevenção de Câncer de Boca nesta quinta
 
 
SAÚDE
6 de junho é o Dia Nacional do Teste do Pezinho
05/06/2018
Triagem Neonatal Biológica
 
rodape.jpg
A volta Por Cima do Limão Caipira  
Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
 
No Alvo  
STF torna Aécio Neves réu por corrupção
 
Mato Grosso  
Circuito de Tecnologia apresenta novidades e opções de carreira na área de TI
 
Em Rondonópolis  
Fiemt discute comércio exterior e acesso ao crédito com industriais
 
Resultado  
Você tem o direito de errar
 
Primavera do Leste  
MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
 
Semana Nacional  
Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Iprobidade  
MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS
 
Cuiabá  
Niuan Ribeiro, homenageia maçons por contribuição social
 
Casa Própria  
Governo entrega casas a 100 famílias em Jangada