topo.jpg
Quarta-feira - 19 de Dezembro de 2018
DESTAQUES - 08/01/2018 - 06:33
 
Demitidos pela Justiça, servidores da AL tentam recurso para manter cargos e salários em MT
 
   
   
 

 

Os servidores públicos estaduais que não prestaram concurso público e que mesmo assim foram declarados estáveis no funcionalismo podem se beneficiar de uma medida administrativa interposta pelo Sindicato dos Servidores do Poder Legislativo de Mato Grosso (Sindal-MT). Isso significa que, mesmo com vínculo empregatício proveniente de um ato inconstitucional (ilegal), ainda podem permanecer em seus cargos.

De acordo com uma publicação do Diário de Justiça Eletrônico do dia 1º de dezembro, o Sindal-MT interpôs uma medida administrativa de natureza disciplinar (correição parcial) contra a decisão do juíz da Vara de Ação Civil Pública e Ação Popular, Luís Aparecido Bortolussi Junior, que não suspendeu o trâmite do processo contra o ex-secretário de Administração, Patrimônio e Informática da AL-MT, Djalma Ermenegildo, um dos réus na operação “Imperador”.

Na ação, Djalma Ermenegildo é acusado de se beneficiar indevidamente do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias – ADCT, regras estabelecidas para assegurar a “harmonia” na transição entre as Constituições de 1969 e 1988 -, e disciplina que os servidores públicos federais, estaduais e municipais, que estivessem exercendo o cargo por no mínimo 5 anos contínuos na data de promulgação da Constituição (5 de outubro de 1988), seriam considerados “estáveis” no serviço público, beneficiando-se, entre outros direitos, de serem demitidos só após processo administrativo. O benefício também atingiu os que não prestaram concurso público.

Numa decisão proferida no dia 18 de novembro 2016, Bortolussi anulou o ato que considerou Djalma estável na AL-MT, alegando que ele ingressou no Poder Legislativo Estadual apenas 12 anos após a promulgação da Constituição – o que na prática determinou sua exoneração do funcionalismo público do Legislativo, em razão do ato de sua nomeação ser considerada “inconstitucional”.

O ex-secretário de Administração, Patrimônio e Informática da AL-MT, então, interpôs um recurso (embargos declaratórios) pedindo a suspensão do trâmite de seu processo até o julgamento de um Recurso Especial (RE), de repercussão geral, do Supremo Tribunal Federal (STF) que pode julgar a possibilidade do ato administrativo, mesmo julgado inconstitucional, ter sua decadência em 5 anos como prevê a Lei nº 9.784/99. Existem jurisprudências que entendem que o ato administrativo inconstitucional não prescreve, ou seja, pode ser anulado a qualquer momento.

“Defendendo a presença do vício de omissão na decisão atacada, o embargante [Djalma Ermenegildo] assim alega [...]‘ Demonstrada a omissão incorrida por este I. Juízo, requer seja suspenso o trâmite do feito em epígrafe até o julgamento definitivo do Recurso Extraordinário envolvendo a possibilidade de um ato administrativo, caso evidenciada a violação direta do texto constitucional, ser anulado pela Administração Pública quando decorrido o prazo decadencial previsto na Lei’”, diz trecho dos embargos.

Bortolussi, porém, não acatou os argumentos dizendo em decisão do dia 11 de abril de 2017 que a matéria tratada no RE “nada influencia neste feito” e que sua decisão, ao declarar inconstitucional o ato de nomeação de Djalma Ermenegildo na AL-MT deixou clara a “flagrante inconstitucionalidade” da medida.  “Quanto ao alegado vício de obscuridade, sob o argumento de que o Juízo não esclareceu se foi declarada a inconstitucionalidade dos atos administrativos, também não deve prosperar, pois, a sentença está clara ao mencionar que foi declarada a nulidade do ato administrativo, ante a flagrante inconstitucionalidade, ou seja, o ato foi declarado nulo por estar em desacordo com o que disciplina a Constituição Federal”, disse o magistrado.

Após a decisão, o Sindal-MT interpôs a correição parcial em setembro deste ano requerendo a aplicabilidade do RE em ações desta natureza. A demanda foi remetida à Corregedoria do TJ-MT, ficando sob relatoria da desembargadora Maria Aparecida Ribeira, que rejeitou o pedido. O Sindicato, no entanto, entrou com um recurso (embargos declaratórios) contra Bortolussi em razão da derrota. O magistrado explicou que o embargo deveria ser protocolado na Corregedoria do TJ-MT.

“Verifica-se, entretanto, que o Sindicato dos Servidores da Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso, em vez de apresentar os Embargos de Declaração contra aquela decisão perante aquele Órgão Correicional, os apresentou, em 15/09/2017, perante este Juízo [...] Nessa senda, diante do equívoco no protocolo dos referidos Embargos de Declaração, determino seu encaminhamento, via ofício, à Corregedora-Geral da Justiça, Desembargadora Maria Aparecida, responsável pelo julgamento do Pedido de Correição Parcial lá registrado para ciência e providências que entender necessárias”, disse Bortolussi em decisão do dia 24 de novembro.

Se reconhecida a decadência, mesmo para atos administrativos inconstitucionais, Djalma, e outros servidores públicos, podem continuar sendo estáveis em seus cargos no funcionalismo, uma vez que já foi decorrido o prazo de 5 anos em Lei – ele foi nomeado na AL-MT em julho do ano 2000. Nos últimos meses, diversos servidores da Assembleia nomeados sem concurso público foram exonerados do serviço público por decisão judicial.

   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
03/11/2018  - Preservação de patrimônio histórico abre Seminário Olhares Sobre a Cidade
11/10/2018  - Deputados podem votar auxilio às santas casas na próxima terça
25/04/2018  - Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
19/04/2018  - STF torna Aécio Neves réu por corrupção
16/04/2018  - Fiemt discute comércio exterior e acesso ao crédito com industriais
 
Untitled Document
 
MUNDO JURÍDICO
Sob Nova Direção
18/12/2018
Toma posse diretoria da Caixa de Assistência dos Advogados para os próximos três anos
 
 
MEIO AMBIENTE
Em Itiquira
17/12/2018
MPMT pede suspenção de obra na planície pantaneira que beneficiava uma única empresa privada
 
 
DESTAQUES
Investigação
14/12/2018
OAB-MT quer explicações e acompanhará denúncia de extorsão contra Selma Arruda
 
 
SAÚDE
Estatísticas
13/12/2018
Prevenção à prematuridade deve ser priorizada no Brasil
 
 
POLÍTICA
Funcionários Fantasma
12/12/2018
decretado o bloqueio de bens do presidente da Câmara de Vereadores de Itiquira e outros 2 servidores
 
 
DESTAQUES
Governo 2019
11/12/2018
Mauro mantém mais 2 secretários de Taques;e maestro vai para Cultura
 
 
MUNDO JURÍDICO
Boa Noite Cinderela
10/12/2018
MP denuncia “Maníaco da Garrafada” por latrocínio, tentativa de latrocínio e roubo
 
 
DESTAQUES
Alto Garças.
09/12/2018
MPMT e Poder Judiciário iniciam projeto de Mediação Escolar
 
 
CIDADES
Neste Sábado.
07/12/2018
Veja o que irá funcionar no feriado municipal de Nossa Senhora da Conceição em Cuiabá
 
 
DESTAQUES
Decisão
07/12/2018
Desembargadora nega liminar para suspender eleição de corregedor-geral da Defensoria Pública
 
 
CULTURA
Inscrições
06/12/2018
MT Escola de Teatro publica edital para cursos de tecnologia em teatro
 
 
DESTAQUES
Nesta Sexta-Feira
04/12/2018
Estado inaugura novo prédio e auditório da CGE em alusão ao Dia de Combate à Corrupção
 
rodape.jpg
Arquitetura  
Preservação de patrimônio histórico abre Seminário Olhares Sobre a Cidade
 
Congresso Nacional  
Deputados podem votar auxilio às santas casas na próxima terça
 
A volta Por Cima do Limão Caipira  
Saiba como preparar delicias com limão-cravo o mais popular do país
 
No Alvo  
STF torna Aécio Neves réu por corrupção
 
Mato Grosso  
Circuito de Tecnologia apresenta novidades e opções de carreira na área de TI
 
Em Rondonópolis  
Fiemt discute comércio exterior e acesso ao crédito com industriais
 
Resultado  
Você tem o direito de errar
 
Primavera do Leste  
MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
 
Semana Nacional  
Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Iprobidade  
MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS