topo.jpg
Quarta-feira - 21 de Fevereiro de 2018
DESTAQUES - 01/12/2017 - 07:30
 
TJ acolhe agravo do MPE e suspende licitação de R$ 6 milhões em publicidade
 
   
   
 

 

A Primeira Câmara de Direito Público e Coletivo do Tribunal de Justiça de Mato Grosso concedeu liminar no Agravo de Instrumento, interposto pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, e determinou a imediata suspensão do processo licitatório (Concorrência Pública nº 003/2017) que visa a contratação de agência de publicidade no município de Várzea Grande, orçado em R$ 6 milhões.


No recurso, o promotor de Justiça Deosdete Cruz Junior ressalta que o contrato referente a publicidade da Prefeitura de Várzea Grande afronta os princípios da razoabilidade e proporcionalidade, e por isso acarretam dano ao patrimônio público.


Conforme os autos, o quadro de gasto estimado com publicidade, em 2016, alcança aproximadamente R$ 2,5 milhões/ano. Esse valor é aproximadamente o triplo do gasto do ano de 2015 e vinte vezes maior do que o gasto do ano de 2014.


Ele cita, ainda, que no dia 19 de junho (2017), o juiz eleitoral, da 20ª Zona Eleitoral, Carlos José Rondon Luz, seguindo parecer do promotor eleitoral Luciano Freiria de Oliveira, julgou procedentes os pedidos formulados em sede de representação eleitoral e cassou os diplomas e mandatos eleitorais de Lucimar Sacre de Campos e José Hazama, respectivamente prefeita e vice-prefeito de Várzea Grande, sob o argumento de abuso por violação à vedação do artigo 73, VII, da Lei de Eleições.


Na decisão liminar o desembargador Márcio Vidal, relator do processo, destaca que a suspensão na execução da concorrência pública é medida processual necessária, “decorrente da cassação do mandato eletivo dos gestores públicos, uma vez que a Justiça reconheceu a violação de normas eleitorais em razão de gastos ilegais com publicidade institucional”.


O relator acrescenta, ainda, que o Contrato nº 58/2014, de igual objeto da Concorrência Pública nº 003/2017, no decorrer de três anos teve gastos inferiores ao total do proporcionado pelo novo contrato, de acordo com informações da Procuradoria do Município.


Desse modo, entendo que assiste razão o Ministério Público quando afirma que a majoração dos gastos com a publicidade na Concorrência Pública nº 003/2017 é desproporcional, o que resulta na violação aos princípios da razoabilidade e a proporcionalidade, e via de consequência, fere o patrimônio público, fonte donde será retirada a verba ao pagamento das empresas que saírem vitoriosas da concorrência”.


O prazo de vigência do contrato, que está sendo questionado pelo MPE, é de 12 meses, podendo ser prorrogado por iguais e sucessivos períodos, limitados a 60 meses. “Acrescenta-se a isso, noticiado aditivo de R$ 2,3 milhões ao contrato 058/2014, firmado em 2014 com a empresa Company Comunicação, reveladores do incremento expressivo de gastos em publicidade, quando considerados os anos anteriores”, esclareceu.


O promotor de Justiça destaca que a indicação de elevação dos gastos com publicidade em patamares exorbitantes, revela afronta e violação ao patrimônio público, por desperdício de recursos públicos em finalidades não prioritárias, em prejuízo a execução e melhoria de políticas públicas com expressão social, demandando a atuação enérgica do Ministério Público perante o Poder Judiciário, diante da cristalizada ofensa aos princípios da eficiência, moralidade e razoabilidade.


A prática questionada, importa e um só tempo na ilegalidade/ilegitimidade do ato (elevação de despesas públicas de modo desarrazoado e desproporcional se considerados os gastos dos anos anteriores), bem como na frustração da efetividade esperada sobre direitos sociais”.


Diante do exposto, havendo preenchimento dos requisitos ao deferimento do pedido liminar, mormente o da relevância jurídica dos fatos e fundamentos colacionados, concedo a antecipação de tutela recursal para determinar a suspensão do processo licitatório, até o julgamento final deste recurso”, declarou o relator.


   
COMENTAR NOTÍCIA
VER COMENTÁRIOS
 
 
 
01/09/2017  - Você tem o direito de errar
28/08/2017  - MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
23/08/2017  - Niuan Ribeiro, homenageia maçons por contribuição social
23/08/2017  - MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS
23/08/2017  - Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Untitled Document
 
ECONOMIA
Resolvido
20/02/2018
Justiça atende pedido da AMM e determina exclusão de municípios da inadimplência
 
 
NACIONAL
Na Madrugada Desta Terça-Feira
20/02/2018
Câmara autoriza intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro
 
 
ESPORTES
Relatórios Técnicos
19/02/2018
Empreiteira recebe R$ 13 milhões por "asfalto fantasma" em MT
 
 
AGRICULTURA
Agricultura Familiar
17/02/2018
Presidente Botelho destaca incentivos a pequenos produtores de MT
 
 
ECONOMIA
Mercado
14/02/2018
Quinta edição da Femoda movimenta R$ 22 milhões
 
 
ARTIGO
Iniciativa
14/02/2018
Integridade empresarial: uma nova realidade
 
 
EDUCAÇÃO
Cuiabá
14/02/2018
Emanuel Pinheiro abre nesta quinta-feira o ano letivo de 2018
 
 
ARTIGO
Conflitos Pessoais
13/02/2018
Trans em lados opostos?
 
 
ESPORTES
Torcida
13/02/2018
FMF consegue aumentar número de ônibus em dia de jogos
 
 
DESTAQUES
Indicios
09/02/2018
Auditoria do TCE encontra 17 irregularidades na folha de pagamentos de Aripuanã
 
 
DESTAQUES
Nova Bandeirantes- MT
08/02/2018
População cobra resultado de investigação sobre o incêndio da prefeitura
 
 
DESTAQUES
Na BR-163
08/02/2018
Fluxo de veículos leves deve ter alta de 16% durante o carnaval
 
rodape.jpg
Resultado  
Você tem o direito de errar
 
Primavera do Leste  
MPE notifica prefeito e vereadores para que não reduzam limite para aplicação de agrotóxicos
 
Semana Nacional  
Secretaria de Educação e Bibliotecas Comunitárias comemoram Folclore nas ruas de Cuiabá
 
Iprobidade  
MPE notifica Estado para que suspenda qualquer ato de gestão em nome do IPAS
 
Cuiabá  
Niuan Ribeiro, homenageia maçons por contribuição social
 
Casa Própria  
Governo entrega casas a 100 famílias em Jangada
 
Artigo  
Modelo Ideal?*
 
Legalize Já!  
Ministro do STF diz que Brasil deve 'legalizar a maconha e ver como isso funciona na vida real'
 
Cultivo Protegido  
Futuros Produtores visitam em Campinas a Divisão de Hortaliças da Monsanto
 
Anvisa Avisa  
Droga da USP não tem ação comprovada contra câncer