Política Estadual

Deputado Dr.João destina emenda para agricultura familiar de Alto Paraguai

Publicados

em


Foto: JLSIQUEIRA / ALMT

O apoio para o desenvolvimento rural e a inclusão produtiva é de extrema importância para fomentar a agricultura familiar do município de Alto Paraguai. Pensando nisso, o deputado estadual Dr. João (MDB) , fortaleceu essas políticas com emendas impositivas destinando para o município o valor de R$ 250 mil reais.

A emenda foi paga neste último final de semana, e já está disponível na conta da prefeitura. “Como parlamentar não tenho dúvida que o prefeito de Alto Paraguai, Adair José, fará render esse valor destinado à agricultura familiar. O meu objetivo é continuar trabalhando para atender da melhor forma os anseios da população, observando atentamente as necessidades do município, em conjunto com a administração”, ressaltou o deputado.

O município de Alto Paraguai está localizado à cerca de 200 quilômetros da capital, Cuiabá. A cidade é formada por pequenos agricultores, no qual, em sua maioria, apostam no fortalecimento da piscicultura.

Segundo o deputado Dr.João, atualmente, A agricultura familiar é a grande economia do município. “Quero poder contribuir ainda mais com o desenvolvimento econômico e social da região,” finalizou o parlamentar.

Leia Também:  Deputado visita Central de Abastecimento de Cuiabá e garante apoio aos pequenos produtores

A nota de ordem bancária de pagamento da emenda já pode ser acessada no site da Secretaria Adjunta da Contadoria Geral do Estado (CGE).

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:

Política Estadual

“Fatura dos cilindros chegou” aponta Faissal ao denunciar tributação indevida pela Energisa

Publicados

em

Por


O deputado estadual Faissal Calil (PV) irá cobrar explicações da Energisa por possíveis cobranças irregulares nas contas de energia elétrica feitas pela concessionária de consumidores que possuem sistemas de captação e produção de energia solar. O parlamentar recebeu denúncias de que a empresa estaria aplicando indevidamente a cobrança de ICMS na compensação do que era inserido no sistema pelos clientes.

Em conversa por telefone, o deputado ouviu do secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, que a cobrança não parte do Governo do Estado, que em 2019 fez um compromisso de não tributar esta modalidade de produção de energia elétrica. Faissal relembrou da doação feita pela Energisa, recentemente, de cilindros de oxigênio que, de acordo com o parlamentar, é oriunda de arrecadações irregulares de tributos pela empresa.

“Rogério Gallo me garantiu que o compromisso feito com o Governo do Estado de isenção do ICMS em relação a energia solar feito em 2019 está de pé. Isso é coisa da Energisa. Essa diferença entre o que a sua usina fotovoltaica injeta na rede e o que é compensado pela empresa, com valores a menor, é algo que a concessionária terá que explicar. Pelo visto a fatura da tal doação de cilindros de oxigênio feitos pela concessionária já chegou”, apontou.

Leia Também:  Diretores da Aneel não compareceram à oitiva da CPI da Energisa

Faissal destacou ainda que levará o assunto ao conhecimento dos parlamentares que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a Energisa na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). De acordo com denúncias feitas pelos consumidores, a empresa tributa o ICMS de forma indevida na hora de aplicar os créditos de seus consumidores na compensação de outras unidades consumidoras.

“Os consumidores que instalaram usinas fotovoltaicas perceberam que tudo aquilo que era produzido por eles e colocado na rede de distribuição, infelizmente, não era compensado devidamente em suas contas de energia. Isso ocorreu sem qualquer aviso ou comunicado ao consumidor. Levarei este assunto a CPI da Energisa para que se tomem providências e o mercado da energia solar não fique inviabilizado em nosso estado”, afirmou.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Sistema de Compensação é quando a energia ativa injetada por uma unidade consumidora com microgeração distribuída ou minigeração distribuída é cedida, por meio de empréstimo gratuito, à distribuidora local e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica ativa dessa mesma unidade consumidora ou de outra unidade consumidora de mesma titularidade da unidade consumidora onde os créditos foram gerados, desde que possua o mesmo Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cadastro de Pessoa Jurídica (CNPJ) junto ao Ministério da Fazenda.

Leia Também:  "Fatura dos cilindros chegou" aponta Faissal ao denunciar tributação indevida pela Energisa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA