Política Estadual

Delegacia da Mulher de Tangará da Serra precisa de veículo descaracterizado

Publicados

em


Foto: FABLICIO RODRIGUES / ALMT

O deputado estadual Faissal Calil (PV) apresentou na sessão plenária dessa terça-feira (2) na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, a Indicação nº 1594/2021, que trata a necessidade de disponibilizar uma viatura descaracterizada para utilização da Delegacia Especializada da Defesa da Mulher de Tangará da Serra.

“A presente proposição se dá em decorrência da solicitação do investigador de polícia, Francisco Piana Gonçalves. A referida delegacia já possui duas viaturas caracterizadas, porém, não atendem a demanda, sendo necessária a utilização de mais um veículo para outras situações ou operações”, justificou o parlamentar.

A Policia Civil tem caráter investigativo e, para cumprir seu papel, utiliza-se de meios e formas diferenciadas, como o uso de veículos descaracterizados nas suas abordagens e investigações.

A Delegacia da Mulher no município dá atendimento à vítima de violência doméstica e familiar, possuindo atendimento reservado para esses casos, com o objetivo de  preservar a integridade moral, física e psicológica das vítimas de agressão domésticas.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Deputado visita Central de Abastecimento de Cuiabá e garante apoio aos pequenos produtores

Política Estadual

“Fatura dos cilindros chegou” aponta Faissal ao denunciar tributação indevida pela Energisa

Publicados

em

Por


O deputado estadual Faissal Calil (PV) irá cobrar explicações da Energisa por possíveis cobranças irregulares nas contas de energia elétrica feitas pela concessionária de consumidores que possuem sistemas de captação e produção de energia solar. O parlamentar recebeu denúncias de que a empresa estaria aplicando indevidamente a cobrança de ICMS na compensação do que era inserido no sistema pelos clientes.

Em conversa por telefone, o deputado ouviu do secretário de Estado de Fazenda (Sefaz), Rogério Gallo, que a cobrança não parte do Governo do Estado, que em 2019 fez um compromisso de não tributar esta modalidade de produção de energia elétrica. Faissal relembrou da doação feita pela Energisa, recentemente, de cilindros de oxigênio que, de acordo com o parlamentar, é oriunda de arrecadações irregulares de tributos pela empresa.

“Rogério Gallo me garantiu que o compromisso feito com o Governo do Estado de isenção do ICMS em relação a energia solar feito em 2019 está de pé. Isso é coisa da Energisa. Essa diferença entre o que a sua usina fotovoltaica injeta na rede e o que é compensado pela empresa, com valores a menor, é algo que a concessionária terá que explicar. Pelo visto a fatura da tal doação de cilindros de oxigênio feitos pela concessionária já chegou”, apontou.

Leia Também:  Diretor-geral da Aneel não comparece à oitiva da CPI da Energisa

Faissal destacou ainda que levará o assunto ao conhecimento dos parlamentares que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a Energisa na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). De acordo com denúncias feitas pelos consumidores, a empresa tributa o ICMS de forma indevida na hora de aplicar os créditos de seus consumidores na compensação de outras unidades consumidoras.

“Os consumidores que instalaram usinas fotovoltaicas perceberam que tudo aquilo que era produzido por eles e colocado na rede de distribuição, infelizmente, não era compensado devidamente em suas contas de energia. Isso ocorreu sem qualquer aviso ou comunicado ao consumidor. Levarei este assunto a CPI da Energisa para que se tomem providências e o mercado da energia solar não fique inviabilizado em nosso estado”, afirmou.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Sistema de Compensação é quando a energia ativa injetada por uma unidade consumidora com microgeração distribuída ou minigeração distribuída é cedida, por meio de empréstimo gratuito, à distribuidora local e posteriormente compensada com o consumo de energia elétrica ativa dessa mesma unidade consumidora ou de outra unidade consumidora de mesma titularidade da unidade consumidora onde os créditos foram gerados, desde que possua o mesmo Cadastro de Pessoa Física (CPF) ou Cadastro de Pessoa Jurídica (CNPJ) junto ao Ministério da Fazenda.

Leia Também:  Deputado visita Central de Abastecimento de Cuiabá e garante apoio aos pequenos produtores

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA