Internacional

Civis são mortos por bombardeio durante retirada da região de Kherson

Publicados

em

Civis são mortos por bombardeio durante retirada da região de Kherson
Reprodução

Civis são mortos por bombardeio durante retirada da região de Kherson

Três pessoas morreram após bombardeios russos atingirem um microônibus, perto de Kherson, que levava civis em fuga. As informações são do “The Guardian”, com base em relatos de militares da Ucrânia.

O Comando Operacional Sul ucraniano informou que o microônibus levava sete moradores da aldeia de Starosillia, nos arredores da cidade de Kherson, ocupada pelos russos. Os feridos foram hospitalizados, de acordo com relatos da mídia local.

Mais armas

Os Estados Unidos anunciaram, nessa segunda-feira, que enviarão uma nova remessa de armas para as forças da Ucrânia, incluindo munição para lançadores de foguetes e armas de artilharia.

O novo pacote de US$ 550 milhões “incluirá mais munição para os sistemas de foguetes avançados de alta mobilidade, também conhecidos como HIMARS, bem como munição” para artilharia, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby.

A assistência inclui 75 mil cartuchos de munição de artilharia de 155mm, segundo um comunicado do Pentágono, divulgado pelo “The Guardian”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:

Internacional

‘EUA estão buscando prolongar o conflito’, diz Putin sobre guerra

Publicados

em

Por

Putin ataca EUA em discurso na Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional
Reprodução/Kremlin – 09.05.2022

Putin ataca EUA em discurso na Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, atacou os  Estados Unidos durante seu discurso na 10ª Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional nesta terça-feira (16) e afirmou que Washington quer “prolongar” a guerra na Ucrânia – iniciada por Moscou em 24 de fevereiro.

“A situação na Ucrânia demonstra que os Estados Unidos estão buscando prolongar o conflito. Além disso, estão agindo de forma similar e alimentando o potencial de conflitos na Ásia, na África e na América Latina”, disse o mandatário.

Além disso, Putin afirmou que o Ocidente usa o povo ucraniano como “carne de canhão” e que essas nações “têm necessidade de conflitos para manterem a sua hegemonia” no mundo. Segundo o mandatário, eles têm um “projeto anti-Rússia, fecharam os olhos para o uso da ideologia neonazista e sobre a morte em massa de civis no Donbass e forneceram armas, também pesadas, ao regime de Kiev”.

As acusações são as mesmas feitas por Putin para justificar a invasão da Ucrânia em fevereiro e, desde então, Moscou vem sendo alvo de pesadas sanções ocidentais, que causam danos à economia do país – apesar das negativas do Kremlin.

Leia Também:  Corpos de vítimas de Covid-19 tomam conta das ruas do Equador

A princípio, Moscou queria derrubar o governo de Volodymyr Zelensky com uma campanha militar rápida, mas os planos fracassaram e a Rússia começou a concentrar suas operações nas áreas ao sul e na área do Donbass, que conta com as regiões separatistas de Donetsk e Lugansk.

Em outro ataque a Washington, o presidente russo afirmou que a visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan no início de agosto foi uma tentativa de “desestabilizar” a região indo-pacífica.

“Como vocês sabem, recentemente, os Estados Unidos tentaram mais uma vez, deliberadamente, jogar gasolina no fogo e estremecer a situação na região Ásia-Pacífico. A aventura norte-americana em Taiwan não foi só uma viagem de um único político irresponsável, mas faz parte de uma estratégia deliberada e consciente dos EUA para desestabilizar e deteriorar a situação na região. Uma falta de respeito”, acusou ainda.

Após o discurso de Putin, o Ministério da Defesa informou que fechou um contrato para a entrega de mísseis balísticos intercontinentais Sarmat.

Em junho deste ano, em outro evento, o mandatário russo havia informado que esperava que os Sarmat estariam disponíveis “até o fim do ano” e que eles dariam “garantias de segurança” à Rússia contra “as atuais ameaças”, fazendo “refletir quem está nos ameaçando”.

Os mísseis do tipo tiveram o primeiro teste oficial realizado em abril deste ano e os equipamentos têm a capacidade de transportar até 15 ogivas para ataque.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA