Nacional

Casa Verde e Amarela é medida que exclui a baixa renda do acesso à moradia, afirma diretoria da FNA

Publicados

em

JB News 

A parcela da população que forma a maior parte do déficit habitacional do Brasil não está contemplada no mais novo programa de governo voltado à área habitacional, o Casa Verde e Amarela, instituído por meio de Medida Provisória e anunciado nesta terça-feira (25/8) pela União. As famílias com renda de zero a três salários mínimos ficaram de fora da abrangência do programa, uma vez que esta parcela da população não possui condições financeiras para a contratação de crédito imobiliário – algo sugerido na MP ao anunciar que famílias com renda mensal até R$ 2 mil estarão sujeitas a taxa de juros a partir de 4,25% anual. A Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA), entidade que luta pela implementação de políticas públicas de moradia, entende que a medida é equivocada e não resolverá o problema do déficit habitacional no país.

“Num programa habitacional para a faixa de renda de até três salários mínimos, o importante é ter alto subsídio. Financiamento não resolve”, defende Patryck Carvalho, secretário de Políticas Públicas e Relações Institucionais da FNA. Lembrando que mais de 80% do déficit habitacional no país está concentrado nesta faixa de rendimentos, Carvalho entende que a proposta do governo nada mais é do que um programa de financiamento que não atende às necessidades e carências por habitação das famílias brasileiras de baixa renda ou nenhuma renda. O dirigente chama a atenção, ainda, para os R$ 500 milhões anunciados para regularização fundiária e melhorias habitacionais e que, segundo o governo, foram negociados com a Febraban. Esses recursos são oriundos do FDS (Fundo de Desenvolvimento Social), não é recurso dos bancos.

Leia Também:  ”Estão roubando a chance de sobrevivência de milhares de brasileiros", afirma Dr. Leonardo

O projeto dos governos Lula e Dilma, o Minha Casa, Minha Vida, para faixa de renda familiar até R$ 1.800,00 não previa operações de crédito sujeitas a aprovação cadastral, mas sim, um subsídio que chegava a 95% do valor do imóvel, com prestações que variavam de R$ 80 a 270 conforme a renda familiar. Segundo a integrante da União Nacional por Moradia Popular (UNMP), Evaniza Rodrigues, para acessar o novo programa, as famílias precisarão atender a uma série de critérios (nome limpo no mercado e não possuir dívidas com bancos) e não terão condições de comprová-los para contratar o financiamento habitacional. “Além disso, também há a chamada análise de risco de crédito dos bancos onde as famílias pobres não têm como ser aprovadas. Ou seja, pela lógica do atual governo, elas continuarão a ser excluídas da política habitacional”, destaca. Evaniza manifesta preocupação com a MP pois, no formato em que foi apresentada, consolida a exclusão dos mais pobres do direito à moradia.

Getúlio Vargas de Moura Júnior, presidente da Confederação Nacional das Associações de Moradores (CONAM), considera a MP um grande retrocesso, pois o centro do déficit habitacional no Brasil se encontra justamente na faixa de renda descoberta pelo programa – historicamente chamada de habitação de interesse social – foco permanente do sistema nacional de habitação. “Além de ser muito mais uma carta de intenções do que um projeto estruturado, o programa foi lançado sem que houvesse diálogo com a sociedade, pois hoje não temos mais os conselhos das cidades e fóruns de articulação e concessão dessas políticas públicas. Também não vai no centro da questão, que é onde se encontram as famílias que ‘sustentam’ o déficit por habitação no país”, destaca.

Leia Também:  Bolsonaro nomeia Kassio Nunes Marques para o cargo de ministro do STF

O dirigente reforça também que a MP não foi construída pensada como um plano nacional de moradia articulado com uma política nacional de desenvolvimento urbano. “O que foi apresentado não se caracteriza como um projeto nacional para enfrentamento do déficit, diferentemente do Minha Casa, Minha Vida, que veio como uma proposta anticíclica após a crise de 2008/2009, mas que carregava uma função social muito forte”, afirmou o dirigente, destacando que da forma como foi construído o Casa Verde e Amarela se propõe a ser muito mais uma solução para o mercado do que para a realidade habitacional brasileira. Para o presidente da CONAM, para se colocar uma política habitacional no país não são necessários projetos ou MPs, basta colocar em prática o que já existe, citando a Lei da ATHIS.

Foto; Carolina Jardine

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COVID-19

”Estão roubando a chance de sobrevivência de milhares de brasileiros”, afirma Dr. Leonardo

Publicados

em

 

 

A afirmação foi feita nas redes sociais, onde comenta as notícias sobre desvios de verbas para a saúde por gestores públicos; o deputado também pediu apoio para PL de sua autoria, que majora penas para os crimes voltados para o setor

 

O deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT) usou as redes sociais para se posicionar sobre denúncias publicadas na imprensa sobre uma série de investigações que tratam de desvios de verbas para o combate a pandemia de Covid-19. Indignado, o deputado comentou que os desvios revelam um “roubo à chance de sobrevivência” de milhares de brasileiros.

 

O parlamentar, que já havia comparado os crimes de corrupção na saúde a homicídios, voltou a defender a aprovação de leis mais rígidas para esse tipo de crime. “Estão roubando verbas que deveriam ter sido usadas para combater a pandemia de Covid-19. Roubando a chance de sobrevivência de milhares de brasileiros que precisaram do SUS e não tiveram o atendimento e morreram porque faltou médico, faltou equipamento, faltou medicamento, faltou alguma coisa”, afirmou o deputado.

 

Mesmo antes da pandemia, o parlamentar, que é médico, ja vinha defendendo o endurecimento das leis no combate a corrupção na saúde. O primeiro projeto que Dr. Leonardo apresentou quando assumiu como deputado federal trata sobre esse tema e tem como objetivo inserir a corrupção na saúde dentro do rol dos crimes hediondos.

 

De autoria do parlamentar, o PL 379, de 2019, conhecido como Projeto de Lei em Defesa da Saúde, pretende transformar em crime hediondo toda e qualquer corrupção na saúde. “Por isso, peço apoio a todos os cidadãos de bem para o projeto, seja comentando nas redes, seja enviando mensagem para os demais parlamentares. Somente garantindo a punição desses abutres é que vamos começar a ter justiça no Brasil”, ressaltou.

 

CPI da Saúde– A moralização do uso dos recursos públicos na saúde é uma bandeira do deputado Dr. Leonardo desde o início da carreira pública, como deputado estadual, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, quando teve a missão de conduzir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das Organizações Sociais de Saúde (OSSs), também conhecida como CPI da Saúde, instalada em agosto de 2015.

 

Com o Projeto de Resolução 200/2016, a comissão revelou roubo de mais de R$ 200 milhões dos cofres públicos e serve como base para investigações do Ministério Público e da Delegacia Fazendária. A investigação durou 12 meses e reuniu mais de 30 mil páginas. O relatório final da nossa investigação foi encaminhado para o Ministério Público do Estado (MPE), Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Secretaria de Estado de Saúde (SES) para medidas cabíveis. 

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Indicação de Kassio Cunha é publicada no Diário Oficial da União para apreciação no Senado
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA