POLITICA

Avallone assegura PSDB forte nas eleições ao Senado e municipais

Publicados

em

 

O deputado Carlos Avallone assumiu a presidência do diretório estadual do PSDB com a missão de fortalecer o partido e coordenar as duas eleições deste ano, a suplementar para o Senado e a renovação das prefeituras e Câmaras municipais. Avallone lembrou que o PSDB ainda é o maior partido do estado, com 35 prefeitos, 20 vice-prefeitos, 190 vereadores e diretórios organizados na maioria dos municípios. “Vamos preparar o partido para as eleições deste ano, oxigenando a agremiação através das novas lideranças comunitárias, da juventude tucana e do PSDB Mulher”, disse.

O novo presidente prometeu dar continuidade ao trabalho do seu antecessor, o ex-vereador Paulo Borges, que continuará atuando na Executiva e contribuindo com o partido nos novos desafios que se apresentam. “Paulo Borges tem DNA político, seguiu o caminho correto e vitorioso de seu pai, que também foi vereador e grande liderança política. Paulinho tem o nosso respeito pela condução corajosa do partido nos momentos mais difíceis, incluindo o da perda da eleição majoritária em 2018, e continuará contribuindo com o partido”.

O novo presidente destacou a importância da eleição do ex-deputado federal e ex-prefeito de Sinop Nilson Leitão, pré-candidato ao Senado Federal. “Nilson é a grande referência do partido, com duas gestões municipais exemplares e uma atuação excepcionalmente produtiva na Câmara dos Deputados, reconhecida aqui no estado e nacionalmente”.

Leia Também:  Senado informa que dará início ao rito sobre cassação do mandato de Selma Arruda

Citando o ex-governador e seu amigo pessoal Dante de Oliveira, Avallone disse que vai honrar o legado da maior liderança política de todos os tempos em Mato Grosso, com quem teve a honra de trabalhar na prefeitura e no governo do Estado.

“O PSDB tem história no Brasil e em Mato Grosso. Já governamos o país, já governamos Mato Grosso, elegemos várias vezes os prefeitos da Capital e de dezenas de cidades. E esta história de conquistas vai continuar neste ano eleitoral de 2020 e é este o sentimento que me estimula a assumir a coordenação dos trabalhos do partido nos dois pleitos que se avizinham”.

O deputado destacou a realidade atual, os tempos difíceis na política nacional, marcados pela radicalização e polarização. “O país e o estado tem problemas graves para resolver, como os altos índices de desemprego, a falta de saneamento, as carências na saúde e na educação. O PSDB de Mato Grosso, a exemplo da direção nacional, vai manter sua postura de centro, apoiando as mudanças econômicas, o desenvolvimento, a geração de emprego e renda e fazendo a interlocução entre o Estado e a sociedade em busca de soluções para as principais demandas da população. O cidadão quer resultados, e já. “, disse Avallone.

Leia Também:  Tema Livre recebe Misael Galvão e Rodrigo Coelho nesta terça Feira

“Eu tenho certeza que com a participação entusiasmada de todos, o PSDB de Mato Grosso sairá fortalecido da eleição suplementar para o Senado e das eleições municipais de 2020. Longe do radicalismo e sempre dialogando, propondo soluções concretas para as necessidades da população”.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

POLITICA

“As fake news estão nos deixando doentes”, diz deputado Dr. Leonardo em CPIv

Publicados

em

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm), realizada em setembro de 2019, aponta que 67% da população brasileira acredita em alguma informação falsa sobre a eficácia e os efeitos das vacinas. Médico por formação, o deputado federal Dr. Leonardo (Solidariedade-MT) lamentou os prejuízos causados aos programadas de imunização do Brasil, nesta terça-feira (18.02), na apresentação dos dados durante a CPI Mista das Fake News.

De acordo com o relatório, informações falsas são o principal motivo que leva os brasileiros a evitarem a vacinação. Mais de 21 milhões de pessoas (13% da população maior de 16 anos) deixaram de se vacinar ou de vacinar seus dependentes.

Entre as falsificações mais difundidas estão afirmações de que vacinas causariam autismo, conteriam grandes quantidades de mercúrio, teriam menos eficiência do que produtos naturais ou seriam uma imposição do governo para controlar a população.

Durante a sessão, o deputado Dr. Leonardo sugeriu uma discussão sobre a responsabilização das empresas por notícia falsa publicada em suas plataformas. Na semana passada, o Reino Unido anunciou medidas para garantir que empresas de mídia social, como Facebook e Twitter, possuam sistemas para reagir ao conteúdo nocivo e melhorar a segurança de seus usuários.

Leia Também:  Policia Civil cumpre nove mandados contra suspeitos de roubo na casa da deputada Janaina Riva

“As fake news estão nos deixando doentes. A pesquisa deixou isso muito claro. Se essas empresas não mapearem os focos de disseminação de notícias falsas e não permitirem a chegada da notícia verdadeira, penso que não conseguiremos informar as pessoas com efetividade. É um problema grave, sério, que precisa ser discutido abertamente. Temos a responsabilidade de apresentar soluções inovadoras”, afirmou Dr. Leonardo.

O presidente da CPI, senador Angelo Coronel (PSD-BA), destacou a necessidade de que a comissão dedique tanta atenção às fake news na área da saúde quanto dedica ao efeito eleitoral delas. “Sei que aqui só ‘ferve’ quando se fala em política, mas um assunto dessa natureza, que atenta contra a vida das pessoas, não pode ser deixado em segundo plano”, afirmou.

Ao abordar os prejuízos das notícias falsas na CPI, o coordenador de Comunicação da SBIm, Ricardo Machado, explicou que a vacinação não é apenas uma questão de proteção individual. Quem possui problemas no sistema imunológico, por exemplo, não pode tomar vacinas e depende das demais pessoas para não ficar vulnerável.

Leia Também:  Alcolumbre escolhe relator do processo de cassação de Selma, e colegiado se reúnem dia 03 de março

A pesquisa também apontou que pessoas que obtêm suas informações sobre vacinas e medicina por meio das redes sociais: 72% dos entrevistados que já receberam mensagens negativas sobre vacinação pelas redes sociais se declararam inseguros quanto à prática, contra 27% dos que nunca receberam. A pesquisa foi feita pelo Ibope ouviu 2.002 pessoas, nas cinco regiões do país, ao longo de quatro dias. Todos os entrevistados eram maiores de 16 anos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA