POLITICA

Avallone assegura PSDB forte nas eleições ao Senado e municipais

Publicados

em

 

O deputado Carlos Avallone assumiu a presidência do diretório estadual do PSDB com a missão de fortalecer o partido e coordenar as duas eleições deste ano, a suplementar para o Senado e a renovação das prefeituras e Câmaras municipais. Avallone lembrou que o PSDB ainda é o maior partido do estado, com 35 prefeitos, 20 vice-prefeitos, 190 vereadores e diretórios organizados na maioria dos municípios. “Vamos preparar o partido para as eleições deste ano, oxigenando a agremiação através das novas lideranças comunitárias, da juventude tucana e do PSDB Mulher”, disse.

O novo presidente prometeu dar continuidade ao trabalho do seu antecessor, o ex-vereador Paulo Borges, que continuará atuando na Executiva e contribuindo com o partido nos novos desafios que se apresentam. “Paulo Borges tem DNA político, seguiu o caminho correto e vitorioso de seu pai, que também foi vereador e grande liderança política. Paulinho tem o nosso respeito pela condução corajosa do partido nos momentos mais difíceis, incluindo o da perda da eleição majoritária em 2018, e continuará contribuindo com o partido”.

O novo presidente destacou a importância da eleição do ex-deputado federal e ex-prefeito de Sinop Nilson Leitão, pré-candidato ao Senado Federal. “Nilson é a grande referência do partido, com duas gestões municipais exemplares e uma atuação excepcionalmente produtiva na Câmara dos Deputados, reconhecida aqui no estado e nacionalmente”.

Leia Também:  Espaço de Acolhimento da Mulher funciona como espécie de delegacia 24 horas

Citando o ex-governador e seu amigo pessoal Dante de Oliveira, Avallone disse que vai honrar o legado da maior liderança política de todos os tempos em Mato Grosso, com quem teve a honra de trabalhar na prefeitura e no governo do Estado.

“O PSDB tem história no Brasil e em Mato Grosso. Já governamos o país, já governamos Mato Grosso, elegemos várias vezes os prefeitos da Capital e de dezenas de cidades. E esta história de conquistas vai continuar neste ano eleitoral de 2020 e é este o sentimento que me estimula a assumir a coordenação dos trabalhos do partido nos dois pleitos que se avizinham”.

O deputado destacou a realidade atual, os tempos difíceis na política nacional, marcados pela radicalização e polarização. “O país e o estado tem problemas graves para resolver, como os altos índices de desemprego, a falta de saneamento, as carências na saúde e na educação. O PSDB de Mato Grosso, a exemplo da direção nacional, vai manter sua postura de centro, apoiando as mudanças econômicas, o desenvolvimento, a geração de emprego e renda e fazendo a interlocução entre o Estado e a sociedade em busca de soluções para as principais demandas da população. O cidadão quer resultados, e já. “, disse Avallone.

Leia Também:  Silval Barbosa, Chico Daltro,Pedro Nadaf, Marcel de Cursi e Jorge Pires agora são réus por esquema que desviou 15 milhões em créditos de ICMS

“Eu tenho certeza que com a participação entusiasmada de todos, o PSDB de Mato Grosso sairá fortalecido da eleição suplementar para o Senado e das eleições municipais de 2020. Longe do radicalismo e sempre dialogando, propondo soluções concretas para as necessidades da população”.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estadual

Deputado Dilmar defende unificação das carreiras da administração tributária em MT

Publicados

em

Líder do governo na AL defende unificação das carreiras da administração tributária

JBN

O deputado estadual Dilmar Dal Bosco (DEM), líder do governo na Assembleia Legislativa, defende a unificação das carreiras específicas da Administração Tributária da Secretaria de Fazenda do Estado de Mato Grosso (Sefaz-MT), com a efetiva participação dos Agentes de Administração Fazendária (AAF’s). Há mais de 20 anos, os AAF’s lutam para que o Estado cumpra uma  sentença transitada em julgado, que reconheceu suas atribuições como específicas da administração tributária e determinou a isonomia com os Fiscais de Tributos Estaduais (FTE’s).

Dilmar reforça a necessidade de pensar o Estado em um contexto único. “Já conversei com o governador Mauro Mendes e o secretário Rogério Gallo sobre a importância desses profissionais, que podem contribuir muito mais com o estado. São pessoas que possuem conhecimento e formação igual aos demais servidores, não podemos tratá-los diferentes, já que são da mesma categoria. Eles não demonstraram ser diferentes do que eu penso”, declarou.

Segundo o deputado, é preciso achar um encaminhamento da unificação, da união das categorias para que todos os servidores prestem o serviço com excelência ao usuário que fica lá no município e que necessita dos serviços da Sefaz. “Vou continuar lutando para ajudar essa categoria, entendo que são irmãos trabalhando no mesmo ambiente de trabalho, mas sendo tratados de forma diferente. Precisamos urgentemente resolver isso, talvez com uma lei que dê garantia de todos estarem integrados numa definição só na Secretaria. Com a unificação a sociedade terá mais qualidade no atendimento”, completou.

Recentemente, o Governo do Estado editou o Decreto 559/2020, determinando a extinção dos Agentes de Tributos Estaduais (ATE’s) e o aproveitamento na carreira de Fiscais de Tributos Estaduais (FTE’s), classe A, nível I. Excluiu do decreto os AAFs e os Agentes de Fiscalização e Arrecadação de Tributos Estaduais (AFATE’s) de também serem extintos e aproveitados no mesmo ato, atendendo o que regulamenta a disposto na Constituição Estadual de Mato Grosso (Art. 45, X, c/c o Art. 60, VII, dos ADCT).

Leia Também:  Ex-prefeito Percival Muniz engenheiro e empresário têm bens bloqueados após ação do MP

O presidente do Sindicato dos Agentes de Administração Fazendária de Mato Grosso (SAAFEMT), Manoel Teixeira, ressalta que o apoio dos deputados é muito importante para resolver essa questão que se arrasta há tantos anos. “A justiça reconheceu nossas atribuições e determinou isonomia com os fiscais de tributos, sentença transitada em julgada que até hoje o Estado insiste em não reconhecer. Contamos com o auxílio dos deputados, junto ao Governo do Estado, para analisar o nosso importante papel e reconhecer nossos direitos de uma vez por todas”, conclui.

Manoel alerta que devido a retirada das atribuições dos agentes fazendários nos últimos anos, a Sefaz conta hoje com uma fila gigantesca de processos parados, prejudicando os contribuintes que dependem da análise para dar encaminhamento aos negócios.

Atualmente, são 165 agentes fazendários que prestam serviços em todo o estado, por meio das Agências Fazendárias.

Foto: Assessoria
Por Luciane Mildenberger
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA