Economia

Auxílio Brasil de R$ 600 é insuficiente para maioria dos eleitores

Publicados

em

Auxílio Brasil de R$ 600 é insuficiente para maioria dos eleitores
Wikimedia Commons

Auxílio Brasil de R$ 600 é insuficiente para maioria dos eleitores

Uma das principais apostas do presidente Jair Bolsonaro (PL) para as eleições, o Auxílio Brasil de R$ 600, que começa a ser pago na semana que vem, é insuficiente para mais da metade dos eleitores, revela nova pesquisa do Datafolha.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

A PEC Eleitoral, que abriu margem para ampliar o valor do benefício de R$ 400 para R$ 600 até o final do ano, também é visto como eleitoreira para a maioria dos entrevistados.

Segundo o Datafolha, 56% dos eleitores consideram o novo valor do Auxílio Brasil insuficiente, 36% consideram suficiente e 7%, mais do que suficiente.

Entre os beneficiários do programa, 54% avaliam o benefício como insuficiente, 38%, como suficiente, e 8% afirmam ser mais do que suficiente.

Em maio, quando foram questionados sobre o valor do Auxílio Brasil em R$ 400,  69% dos beneficiários responderam que o benefício era insuficiente, 29% classificavam como suficiente e 2%, como mais do que suficiente.

Leia Também:  Sine MT disponibiliza mais de 1,1 mil vagas  de empregos

De acordo com a pesquisa, 25% dos entrevistados são ou moram com um beneficiário do programa que substituiu o Bolsa Família. Em maio, eram 21%. Entre os beneficiados (diretos ou indiretos), 63% são mulheres.

De olho nas eleições

Questionado sobre quais seriam as motivações do governo federal em oferecer um ‘pacote de bondades’ até o final deste ano, 61% dos eleitores responderam acreditar que o objetivo é ganhar votos para o presidente Bolsonaro.

Outros 31% dizem que o governo quer, principalmente, ajudar as pessoas que estão precisando, enquanto os 6% restante veem as duas motivações em conjunto e 2% não opinaram.

Não há uma diferença significativa nas respostas entre quem recebe o Auxílio Brasil (59% avaliam que a motivação é principalmente eleitoral e 32% destacam o objetivo de ajudar os pobres) e aqueles que não recebem o benefício (61% e 31%, respectivamente).

Entre os eleitores que aprovam o governo, 20% veem o pacote com objetivo prioritariamente eleitoral, e 68% destacam o intuito de ajudar as pessoas. Para os que reprovam o governo, os percentuais são de 87% e 9%, respectivamente. A opinião sobre o objetivo eleitoreiro também é maior entre eleitores de 16 a 24 anos (69%).

Mesmo com a aprovação da PEC Eleitoral, Bolsonaro aparece em segundo lugar na pesquisa sobre intenção de voto, com 29%. Lula aparece na primeira posição, com 47%. Os dados também são do Datafolha.

O Datafolha ouviu 2.556 pessoas em 183 cidades de forma presencial na quarta (27) e quinta-feira (28). A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR-01192/2022.

Além de ampliar o Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, a PEC também dobrou o valor do vale-gás, criou um voucher a caminhoneiros de R$ 1 mil e criou um auxílio a taxistas, também no valor de R$ 1 mil. Todas as medidas valem até o fim deste ano e começam a ser pagas neste mês. 

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:

Economia

Não é verdade que bancos perdem dinheiro com PIX, diz presidente do BC

Publicados

em

Por

O presidente do Banco Central (BC) do Brasil, Roberto Campos Neto, disse hoje (11) que não é verdade que os bancos estão perdendo dinheiro com o PIX. De acordo com ele, as instituições financeiras participaram do desenvolvimento da ferramenta de pagamento. Além disso, as eventuais perdas de receita nas transações são compensadas pela abertura de novas contas bancárias e pela menor circulação de papel-moeda.

“Eu quero já dizer que não é verdade que os bancos perdem dinheiro com o PIX. Inclusive, a gente deve, em algum momento, soltar algum tipo de estudo mostrando isso. Você tem uma perda de receita em transferência, mas, por outro lado, novas contas são abertas, novos modelos de negócio são gerados, você retira dinheiro de circulação, o que é um custo enorme para o banco, você aumenta a transação, então o transacional aumenta”, disse, em palestra na 32ª edição da Febraban Tech, evento da Federação Brasileira de Bancos, na capital paulista.

O presidente do BC ressaltou que os bancos entenderam, no processo de construção do PIX, que o sistema seria de “ganha-ganha”, ou seja, todos os participantes sairiam no lucro, e ajudaram na divulgação da ferramenta. “O sistema foi construído por todo o sistema financeiro. Os bancos ajudaram muito, botaram propaganda bonita, fizeram um marketing muito bom.”

Leia Também:  Banco do Brasil tem lucro recorde de R$ 14,4 bi no primeiro semestre

Campos Neto ressaltou que a intenção do BC é aumentar a participação da sociedade no sistema bancário nacional. “A gente quer ´bancarizar’, a gente quer competição com inclusão, não é sobre se está ganhando ou está perdendo, todo mundo está ganhando.”

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA