COVID-19

ALMT suspende atividades por 10 dias com aumento de casos de Covid-19

Publicados

em

COMBATE AO CORONAVÍRUS

JB News

Por Denise Niederauer

As atividades administrativas na Assembleia Legislativa de Mato Grosso estão suspensas a partir desta quinta-feira (25.02), retornando o expediente em 05 de março de 2021, e podendo ser o prazo prorrogado de acordo
com a evolução das condições sanitárias.

A medida foi tomada por causa do aumento no número de casos de Covid-19 entre deputados e servidores.

A Mesa Diretora decidiu estabelecer o recesso até o dia cinco de março e manter apenas as atividades estritamente essenciais para o funcionamento do Parlamento estadual. As sessões Plenárias serão remotas

Para evitar a propagação interna da covid-19, o Edifício Dante de Oliveira passará por mais um processo de limpeza e desinfecção de superfícies nas dependências, especialmente nos banheiros, cozinhas, elevadores, corrimões e maçanetas. Além de adotar providências, visando à renovação da circulação de ar nas dependências da ALMT.

Sessões virtuais

As sessões plenárias ordinárias e extraordinárias, das reuniões da mesa diretora, das lideranças e das comissões permanentes e temporárias ficam mantidas. Serão realizadas no Plenário por meio do sistema de deliberação remota, utilizando da plataforma digital https://zoom.us/ ou equivalente, como medida excepcional destinada a viabilizar o funcionamento do Plenário, durante a pandemia do coronavírus.

Leia Também:  Mato Grosso registra registra 312.675 casos 91 mortes em 24h por Covid-19

A Resolução Administrativa determina que os secretários e chefes deverão remeter à Coordenadoria Militar a relação nominal única dos servidores, indicando as atividades essenciais a serem desenvolvidas, devendo a autorização de acesso dos servidores nas dependências do Parlamento ser submetida à autorização formal da Mesa Diretora. Nos gabinetes o parlamentar pode contar com apenas três servidores.

Na sala de reuniões das comissões, o acesso será permitido para o presidente da comissão ou seu respectivo substituto, o consultor e os servidores resposáveis pelos sistemas de informática, áudio e vídeo, e os demais membros utilizarem da plataforma digital ou sistema equivalente.

Em relação aos servidores, que não estiverem em afastamento médico, em gozo de férias ou licenças, vão atuar em regime de trabalho home office. Eles devem permanecer durante o horário de expediente acessíveis. Os servidores podem ser convocados a comparecer a sede da AL/MT, a qualquer tempo.

A resolução administrativa nº 010/2021/SPMD/MD/ALMT assinada pelos deputados, presidente Max Russi e
Eduardo Botelho, 1º Secretário, revoga as disposições em contrário e permanecem inalteradas as demais disposições das Resoluções Administrativas relacionadas ao enfrentamento ao coronavírus.

A Resolução Administrativa foi publicada nesta quarta-feira (24.02), estabelece a suspensão das atividades na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso – ALMT, em virtude da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente da pandemia Covid-19.

Leia Também:  ALMT e prefeitura de Várzea Grande firmam parceria para instalação de mais dois pontos de Vacinação

Mantém somente as atividades estritamente essenciais para o funcionamento administrativo deste Parlamento, com início no dia 25 de fevereiro de 2021, retornando o expediente em 05 de março de 2021, podendo ser o prazo prorrogado de acordo
com a evolução das condições sanitárias. Nesse período de pandemia, quatorze deputados e pelo menos 50 servidores da Assembleia Legislativa já foram contaminados pela Covid-19.

Além de perdas de servidores com mortes pelo coronavírus. O deputado estadual Paulo Araújo (PP), teve alta depois de ter sido infectado por duas vezes. O deputado estadual Valdir Barranco (PT), de 45 anos, que está internado em São Paulo devido as complicações da doença.

Veja a resolução:👇

Resolução Administrativa 010-2021 – Funcionamento Restrito ALMT 25-02 a 05-03

Em Mato Grosso, foram registrados até esta quarta-feira (24.02), pela secretaria de Estado de Saúde (SES), 246.469 casos confirmados de COVID-19,  com 5.716 óbitos.

 

COMENTE ABAIXO:

COVID-19

Senadores farão diligências em laboratórios do agro para produção de vacinas anticovid

Publicados

em

Por

A ideia da visita ‘in loco’ é acelerar os procedimentos para inclusão dos laboratórios na produção de vacinas.

A Comissão Temporária do Senado, que acompanha as ações de enfrentamento à Covid-19, deverá realizar diligência externa nas três fábricas de produtos veterinários classificados com nível de segurança NB3+, potencialmente utilizáveis para a produção de vacinas humanas anticovid. O requerimento foi apresentado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da CT e que tem conduzido as tratativas com os laboratórios do agro.

Além de senadores, deverão ser convidados para a diligência os representantes do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Agricultura, e do Instituto Butantan. A Anvisa já notificou os laboratórios que fabricam produtos para saúde animal interessados em produzir o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para produção de vacinas.

O objetivo, segundo o senador do PL de Mato Grosso, é conhecer as instalações e seu potencial de aproveitamento para a produção de vacinas. A ideia da visita ‘in loco’ é acelerar os procedimentos para inclusão dos laboratórios na produção de vacinas. Os senadores acreditam que a inserção de mais indústrias somariam ao trabalho já realizado pelo Instituto Butantã e a Fiocruz.

Leia Também:  Várzea Grande vacina idosos de 65 anos acima e atende mais de 5 mil pessoas em três dias

As três fábricas capazes de produzirem o IFA a partir da transferência tecnológica pertencem a Merck & Co. ou Merck Sharp & Dohme, empresa farmacêutica, química e de ciências biológicas global presente em 67 países; Ceva Brasil, que dispõe de quatro centros internacionais principais, com 19 centros regionais de produção pelo mundo, e a Ouro Fino, que exporta produtos para vários países.

“Não há dúvida de que estamos muito atrasados na vacinação, especialmente em comparação com outros países. Estamos hoje na casa dos 21 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose e 6 milhões que receberam as duas doses, o que representa cerca de 10% dos brasileiros, com a primeira dose, e 2,8%, com a segunda” – frisou Fagundes.

Além de enfatizar o crescimento do número de mortos pela Covid-19, Fagundes ressaltou que o Brasil é atualmente o epicentro mundial da doença e motivo de preocupação para todos os países. “Certamente, a falta de vacinas é o principal fator para o cenário de atraso na vacinação, que nos conduziu ao colapso do sistema de saúde que hoje estamos vivendo, com falta de leitos de terapia intensiva e carência de oxigênio medicinal, de medicamentos e de insumos essenciais” – acrescentou.

Leia Também:  Relator da Comissão da Covid-19 cobra decisão do Governo sobre produção de vacinas

Em documento enviado a mim, datado de 22 de março, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (SINDAN), informou que as plantas industriais indicadas reúnem condições de atender a toda a demanda por vacina do País, com produção completamente interna e sem depender de importação de insumos. Afirma, ainda, que a indústria de saúde animal detém a tecnologia necessária para o cultivo de inativação e o preparo de vacinas de vírus inativados, como é o caso de algumas das vacinas contra o novo coronavírus.

O requerimento do senador Wellington deve ser votado na reunião de segunda-feira, com definição da data da diligência.


Foto: Reprodução TV Senado

imagem

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA