Economia

Acrimat vê com preocupação a importação de animais

Publicados

em

 

Ascom/Acrimat

Em julho de 2019, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) estabeleceu os requisitos para a importação de bovinos e bubalinos de países que integram o Mercosul. Foram afixadas regras tanto para animais adquiridos para abate imediato quanto para gado de engorda. No caso da importação de animais para abate imediato, as regras constam da Instrução Normativa 18/2019. Com a seca que atingiu o estado de Mato Grosso nos últimos dois anos, com mais impacto no ano passado, alguns setores da cadeia produtiva da pecuária cogitam a possibilidade de importar animais para abate.

A informação, não confirmada pelo Mapa, de que haverá abertura de importação para países fora do Mercosul, preocupa pecuaristas e entidades representativas, como é o caso da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat).

“Em relação a liberação da importação de bovinos e bubalinos de países da América do Sul, adquiridos para abate imediato, como intencionado por alguns frigoríficos que solicitaram licenciamento para o Mapa, tendo em vista que nada foi oficializado e não houve, também, consulta a entidades representativas do setor como a Acrimat, o que posso falar como pecuarista e como presidente de uma associação que defende os interesses dos pecuaristas, é que é preciso analisar o impacto dessa atitude com profundidade ”, diz o presidente da Acrimat, Dr. Oswaldo Pereira Ribeiro Jr.

Leia Também:  Pleno do Tribunal de Justiça de MT elege desembargadores para TRE-MT

De acordo com o pecuarista, MT sempre executou um trabalho extenso na área da sanidade animal, com o Mapa a frente e vários outros órgãos em auxílio, como o próprio órgão de defesa estadual – Indea presente nos 141 municípios de Mato Grosso, para atingir o status de livre da febre aftosa com vacinação, conseguindo retirar a vacinação em algumas localidades. O último caso da doença foi relatado há mais de 25 anos “Abrir para a importação nos colocaria em risco; pode ocorrer a reinserção de doenças entre o nosso rebanho, e isso é algo que nos preocupa”.

Em termos nacionais, o Brasil conta com um serviço de defesa sanitária certificado e auditado pela OIE, o que permite ao país comercializar sua carne para mais de 150 nações. A importação de animais, por vezes de origem onde não se observa o mesmo critério, é algo que pode prejudicar a comercialização do nosso produto.

O presidente da Acrimat ressalta que em relação aos preços, nada mudará. “A oferta de animais prontos pode resolver a situação de determinado frigorífico de certa região por uma, duas semanas. Mas, diante da possibilidade da importação, é importante chamar a atenção para o aspecto sanitário”.

Leia Também:  Governo envia para a Assembleia projeto que prevê multa a empresas e cidadãos que desrespeitaram restrições

A falta de animal pronto é uma realidade, existe uma escassez de animais devido a grande seca enfrentada pelos produtores mato-grossenses. “As chuvas estão voltando agora, e a recuperação de pasto só agora está se mostrando eficiente, o que nos dá a segurança em dizer que até março ou abril teremos animais prontos para abate”, analisa Oswaldo Ribeiro.

Do total do rebanho mato-grossense, que hoje chega a 30,1 milhões de cabeça. 85% são criados em pasto, e 15% em confinamento, o que assegura, com a retomada da normalização do regime de chuvas e a consequente recuperação das pastagens a entrega de animais prontos para abate nesse período. “E é sempre bom lembrar que a pecuária é uma atividade de produção e de médio e longo prazo, portanto estes animais prontos hoje já estavam programados há três, quatro anos; então o que temos hoje é porque o pecuarista trabalha e planejou e não por especulação”, finaliza o presidente da Acrimat.

COMENTE ABAIXO:

Economia

Cidadãos já podem responder consulta pública sobre o PLDO 2022

Publicados

em

Por

Link para o formulário está disponível no site da Sefaz-MT e deve ser respondido até 15 de março

Por Lorrana Carvalho

Formulário deve ser respondido até o dia 15 de março

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) iniciou nesta segunda-feira (01.03), a consulta pública para elaboração do Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2022. Essa é a primeira vez que o Poder Executivo abre à participação popular, por meio desse tipo de metodologia, na preparação da peça que estabelece os parâmetros para o orçamento público.

“O objetivo dessa iniciativa é dar publicidade, transparência e legitimidade ao processo de elaboração do PLDO, além de incentivar que o cidadão participe mais da gestão orçamentária”, explica o secretário adjunto do Orçamento, Ricardo de Almeida Capistrano.

A consulta pública segue aberta até o dia 15 de março. As contribuições serão colhidas por meio de um formulário, disponível no site da Sefaz.

Ao acessar o formulário a pessoa deverá se identificar e, em seguida, responder às perguntas que abrangem todas as áreas de atuação do Governo de Mato Grosso. Por meio do questionário o cidadão vai definir, com base em suas opiniões, quais ações devem ser prioridades do Governo em 2022 dentro da assistência social, saúde, educação, segurança, desenvolvimento econômico, infraestrutura, meio ambiente, agricultura familiar e cultura, esporte e lazer.

Leia Também:  Governo de Mato Grosso debate novas medidas contra a covid-19 com Poderes e prefeitos

As informações obtidas na consulta pública serão organizadas e encaminhadas à Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag) para subsidiar o Anexo de Metas e Prioridades do projeto de lei.

Além da consulta pública, a Sefaz vai continuar promovendo as audiências públicas sobre o PLDO. Esse também é um momento importante, onde a população pode esclarecer dúvidas e questionamentos e, sobretudo, opinar e propor soluções para os principais desafios enfrentados pela sociedade. Durante as audiências são apresentadas as metas e prioridades, bem como a os dados fiscais e financeiros do Governo do Estado.

De acordo com a Sefaz, essa será a primeira de outras consultas públicas a acontecer. A previsão é de que a metodologia também seja aplicada na elaboração do Projeto da Lei Orçamentária Anual (PLOA).

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA