MEIO AMBIENTE

Várzea Grande encerra semana da árvore com plantio de mudas

Publicados

em

As celebrações tiveram início dia 19 com uma caminhada ecológica de conscientização a preservação ambienta

 

Por  Rafaela Maximiano

Apresentações culturais, história cantada e a exposição de espécies de sementes, plantas e plantio de árvores fizeram parte da programação de encerramento da Semana da Árvore, e que culminou com uma mobilização de vários grupos de trabalho, nesta sexta-feira (24) no Parque Bernardo Berneck, em Várzea Grande, onde também teve a distribuição de mudas nativas e ornamentais e o plantio de árvores.

Promovido pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável (SEMMADRS) as celebrações tiveram início dia 19 com uma caminhada ecológica de conscientização a preservação ambiental, distribuição de mudas, plantio de árvores nativas, além de apresentações de teatro e de rodas de conversa em escolas municipais e particulares da cidade.

“É fundamental a educação ambiental da nossa sociedade. A semana toda desenvolvemos atividades com esse objetivo, de preservação da natureza. Estamos vivendo um período de estiagem severa, por exemplo, e o desmatamento, as queimadas que prejudicam não somente o clima mas causam um desequilíbrio. É preciso conscientizar as futuras gerações e fazer o que está ao nosso alcance”, declarou o secretário municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável, Célio Santos.

Leia Também:  Polo industrial de Várzea Grande recebe 2,5 km de asfalto novo

O gestor lembra que somente neste ano a secretaria já desenvolveu diversas ações semelhantes, independente da data comemorativa. “Distribuímos mudas nativas à população e criamos um viveiro no Parque Berneck com objetivo de arborizar a cidade, contribuindo com o conforto térmico. No Viveiro foram plantadas mudas de árvores frutíferas, ornamentais e nativas, com expectativa de produzir 10 mil mudas que serão distribuídas em março do próximo ano”, pontuou.

O secretário disse ainda que uma das políticas desenvolvidas pela pasta é justamente fazer com que mais pessoas se conscientizem da necessidade do plantio de árvore, que além de proporcionar sombra, ameniza o calor e contribui para vias mais bonitas e arborizadas.

COMENTE ABAIXO:

MEIO AMBIENTE

MP-MT denuncia ex-secretário de Meio Ambiente e mais 12 pessoas por facilitarem desmate ilegal, danos podem ultrapassar 143 milhões

Publicados

em

Por

JB News

Por Nayara Cristina

As informações são do MP-MT

Duas denúncias oferecidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco Ambiental) contra investigados na Operação Polygonum foram recebidas pela 7ª Vara Criminal Especializada Contra o Crime Organizado de Cuiabá. O sigilo das ações penais também foi levantado.

Foram denunciados André Luis Torres Baby, ex-secretário estadual de Meio Ambiente, João Dias Filho, ex-superintendente de Regulação e Monitoramento Ambiental, Ronnky Chael Braga da Silva, servidor da SEMA que ocupava o cargo de coordenador de Recursos Florestais. Também foram denunciados Luana Ribeiro Gasparotto, Patrícia Moraes Ferreira, Valdicléia Santos da Luz, Vinícius Henrique Ribeiro, João Felipe Alves de Souza, Joelson de Souza Passos, Deoclides de Campos Lima, Luis Carlos Suzarte, Sidnei Nogueira da Silva e Flaviano Ferreira da Silva.

O grupo foi denunciado pelo Ministério Público por constituição de organização criminosa e por terem falsificado ou adulterado documento público. Também vão responder pelo fato de terem se aproveitado da condição de funcionários públicos para colaborar com interesses criminosos perante a Secretaria de Estado do Meio Ambiente.

Leia Também:  Bombeiros militares e Exército realizam operação de descontaminação

Segundo o Ministério Público, os denunciados concorreram para a destruição de 3.126 hectares de florestas localizadas em Área de Reserva Legal na Amazônia Legal. Os desmatamentos ocorreram no período de março a maio de 2018 em oito propriedades, o que demonstra a continuidade da ação delituosa.

Também pesam contra eles a acusação de terem dificultado a ação fiscalizatória do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Segundo a denúncia do MPMT, o grupo envidou esforços para que a atuação se desse pela Sema para que, assim, fosse afastada a atividade fiscalizatória do órgão federal. Além disso, concorreram para que documentos falsos fossem apresentados à fiscalização do Ibama.

LUCRO – De acordo com a denúncia do Gaeco Ambiental, documentos anexados aos processos e declarações das vítimas comprovam que os acusados auferiram lucro ilícito de aproximadamente um milhão e quinhentos mil reais. O dano ambiental calculado resultante das ações seria de aproximadamente R$ 143 milhões.

A Operação Polygonum descortinou uma organização criminosa que atuava na gestão florestal em Mato Grosso, tendo apurado delitos que tinham por objeto legalizar desmatamentos criminosos com o uso de meios fraudulentos.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA