CUIABÁ

Artigo – Uma indústria verde

Publicados

em

 

 

No momento em que o assunto dominante em todo o mundo são as mudanças climáticas, formas de reverter suas consequências e a preservação ambiental, uma indústria ainda é muito pouco reconhecida no aspecto sustentabilidade: a indústria de reformas de pneus. O segmento é considerado uma indústria verde, já que polui muito menos do que aquela que produz um pneu novo, além de que prolonga a vida dos pneus e oferece a mesma durabilidade.

Trata-se de um setor que cumpre integralmente o tripé da sustentabilidade, ou seja, é ecologicamente correto, economicamente viável e socialmente justo. Anualmente, no Brasil, são reformados 11,5 milhões de pneus. Isto significa que 11,5 milhões de unidades deixam de ser jogadas no meio ambiente, pneus que iriam poluir cidades, campos, rios e mares.

Nossa indústria economiza, por pneu reformado, 50 litros de petróleo. Um pneu novo usa 79 litros de petróleo, enquanto um reformado utiliza apenas 29 litros. Estes 50 litros multiplicados por 11,5 milhões de vezes se transformam em uma conta astronômica de litros de petróleo que deixam de ser retirados do meio ambiente.

Lembrando que os combustíveis fósseis são considerados o grande vilão na questão ambiental e um dos maiores responsáveis pelas emissões dos gases do efeito estufa.

Poucas atividades conseguem incorporar de maneira tão completa o conceito de sustentabilidade. A reforma de pneus cumpre um papel ecológico muito importante no sentido de evitar o descarte prematuro das carcaças. Um pneu reformado emprega apenas 20% do material utilizado na produção de um pneu novo, proporcionando a mesma durabilidade original e postergando a destinação final da carcaça. Uma unidade pode ser reformada, em média, duas vezes, gerando três vidas para a carcaça.

O pneu reformado também é culturalmente muito bem aceito pela sociedade. Aproximadamente dois terços dos pneus de caminhões ou ônibus que circulam pelo país são reformados. Um pneu reformado possui rendimento quilométrico semelhante ao novo, com o valor entorno de 70% mais econômico para o consumidor, apresentando uma redução de 57% no custo/km para o setor de transporte. Somos responsáveis pela redução do custo do transporte em um país cuja matriz transportada é eminentemente rodoviária, com 58% do transporte de cargas ocorrendo por rodovias.

A Associação Brasileira do Segmento de Reforma de Pneus (ABR) reúne, atualmente, 1.302 empresas. O setor também contribui significativamente para a economia, com um faturamento nacional de R$ 5 bilhões/ano, impostos na ordem de R$ 300 milhões e 250 mil empregos gerados diretamente.

Nós sabemos da nossa importância e de todos os benefícios que geramos. Mas, a sociedade, não. Os governantes, também não. Ao contrário, muitos nos veem como poluidores do meio ambiente. Uma de nossas missões e atuar para mudar essa imagem.

Assim como todo setor produtivo nacional, são muitos os desafios do setor para empreender e vencer no Brasil. Temos, pela frente, muitas demandas, a começar pela Reforma Tributária que, da forma como o Poder Público vem apresentando, o setor de serviços será severamente afetado. Além disso, temos o desafio do crescimento da economia brasileira, que ainda não alcançou os níveis e números desejados e necessários.

O associativismo é um dos caminhos para vencer os desafios e obstáculos. Acredito que unidos os componentes de um setor se fortalecem, crescem e obtêm vitórias. O trabalho é fortalecer um setor essencial para o Brasil em economia e sustentabilidade.

 

*Margareth Buzetti presidente da AEDIC e da ABR- Associação Brasileira do Segmento de Reforma de Pneu

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Contribuintes têm até 31 de janeiro para renovação do Alvará de Funcionamento 2020
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CUIABÁ

HMC é o único hospital de Cuiabá a receber autorização do MEC para implantar Residência Médica em 2020

Publicados

em

O Programa é 100% público e inclui pagamento de bolsas aos futuros residentes

OZIANE RODRIGUES

Reprodução

Clique para ampliar 

Considerado pelo Ministério da Saúde como uma das três melhores e maiores unidades de saúde pública do Brasil, o Hospital Municipal de Cuiabá – HMC, Dr. Leony Palma de Carvalho, será o primeiro hospital municipal de Cuiabá a oferecer Programa de Residência Médica. Com foco em ortopedia, traumatologia e medicina intensiva, o projeto será coordenado pela Comissão de Residência Médica da Empresa Cuiabana de Saúde Pública – COREME/ECSP.

O Programa, que também beneficiará o Hospital Municipal São Benedito, se destacou como o único da Capital que, após ser apreciado por técnicos de todas as comissões e órgãos reguladores estaduais e nacionais, recebeu aprovação do Ministério da Educação (MEC) para ser implantado em 2020.

De acordo com coordenador da COREME/ECSP, Dr. Alberto Bicudo Salomão, a unidade passou por diversas visitas técnicas das Comissões Nacional de Residência Médica (CNRM) e Estadual de Residência Médica (CEREM-MT), além do setor de Residência Médica do MEC.

Leia Também:  Sorteados devem comparecer a Secretaria de Habitação para procedimentos administrativos nas liberação das casas

“Juntos eles vistoriam o HMC e o São Benedito para avaliar as estruturas e as documentações necessárias, vislumbrando apreciação final ao CNRM em Brasília. Após todos os trâmites legais, tivemos a grata satisfação de saber que o COREME/ECSP foi o único de Cuiabá a receber a aprovação para a abertura do programa, que consiste na especialização exclusiva para médicos na modalidade lato sensu, que constitui padrão ouro na formação de especialistas na medicina brasileira” diz o médico.

Segundo o diretor geral da Empresa Cuiabana de Saúde Pública (ECSP), Alexandre Beloto, a aprovação coroa os esforços pela valorização dos servidores e dos pacientes.  “Ao ofertarmos as especializações médicas teremos os melhores profissionais atuando no HMC e São Benedito, somando para o bom atendimento da população, exatamente como preconiza a gestão Emanuel Pinheiro.”

Para o prefeito Emanuel Pinheiro, tanto a aprovação do MEC quanto os frutos que a COREME trarão para os dois hospitais cuiabanos, farão com que Cuiabá torne-se uma referência para a medicina brasileira.

“Isso laureia o trabalho que estamos fazendo para virar a página da Saúde em Cuiabá e demonstra que estamos no caminho certo”, afirma.A entrega do HMC, que começou com um sonho também está levando toda a garra do nosso povo como uma Cuiabá que dá certo. Começamos a deixar pra trás uma Saúde deficitária para dar lugar a 20 anos de avanço no SUS de Cuiabá, como de case sucesso brasileiro”, completa.

Leia Também:  Max Russi apresenta demanda de Central de Regulação e cobra providências da SES

Os candidatos às Residências Médicas do COREME serão escolhidos via Processo Seletivo, que será realizado nos próximos meses. Interessados em concorrer às vagas podem se  inscrever por meio do site www.periop.com.br até 03 de fevereiro.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA